Última hora

Última hora

As comemorações dos cem anos do genocídio arménio passam também pelo cinema

Em leitura:

As comemorações dos cem anos do genocídio arménio passam também pelo cinema

Tamanho do texto Aa Aa

As comemorações dos cem anos do genocídio arménio passam também pelo cinema. Um tema controverso na Turquia que não reconhece como genocídio o

As comemorações dos cem anos do genocídio arménio passam também pelo cinema. Um tema controverso na Turquia que não reconhece como genocídio o massacre e deportação dos arménios nos últimos anos do Império Otomano.

Este ano, o Festival de Cinema de Istambul programou dois filmes sobre o tema. O documentário “A herança do silêncio” realizado pela dupla de realizadores franceses Anna Benjamin e Guillaume Clere conta a história sob um novo ângulo.

O filme de 52 minutos segue de perto quatro turcos que descobriram que os avós eram sobreviventes do massacre. Calcula-se que entre cem mil e duzentos mil arménios escaparam à tragédia, foram assimiladas à população curda e turca e convertidas ao Islão. Um tema tabu na Turquia.

“Para nós era importante contar a história do genocídio arménio a partir do presente. O que significa hoje ser arménio na Turquia? O que significa ser turco? O que significa ser curdo? O que resta da herança arménia na Turquia? Durante cem anos as pessoas não disseram nada, houve um silêncio. Como foi possível manter este segredo durante cem anos?”, questiona a realizadora francesa.

“Há uma história oficial e há a história das pessoas, e são histórias diferentes. O nosso filme não é político. Não dizemos que é preciso que haja um reconhecimento, reparações e devoluções de terras. No nosso filme as pessoas dizem que querem saber o que aconteceu aos avós”, afirmou Guillaume Clere.

Recentemente, o Parlamento Europeu pediu à Turquia para reconhecer o genocídio arménio. Para o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan um tal pedido é um insulto. Mas entre a população turca há cada vez mais pessoas a quebrar o tabu. O jornalista Haci Orman realizou o primeiro filme turco sobre o genocídio arménio e conta que não fácil.

“Foi muito difícil reunir uma equipa porque quando dizia aos técnicos qual era o tema eles ficavam com medo e desistiam. Foi preciso quase um ano para constituir uma equipa”, contou o realizador.

“Homo Politicus” gira em torno de um teólogo que contacta as autoridades otomanas para exigir o fim das deportações da população arménia entre 1915 e 1917. O filme assume a forma de um diálogo entre um militar poderoso e um teólogo humanista.

“Todos os livros relativos aos arménios são destruídos ou banidos da Turquia. Por isso tive de ir viajar para a Alemanha e para a França para ter acesso aos arquivos. O maior desafio foi encontrar um local para as rodagens. Quando lhes contava o tema do filme, as pessoas diziam que não estavam interessadas”, acrescentou o realizador.