Última hora

Última hora

Arábia Saudita: Atentado do ISIL em mesquita xiita faz 19 mortos e fere 100 pessoas

Pelo menos 19 pessoas morreram e cerca de uma centena ficou ferida na sequência de uma um atentado à bomba, esta sexta-feira, numa mesquita xiita da

Em leitura:

Arábia Saudita: Atentado do ISIL em mesquita xiita faz 19 mortos e fere 100 pessoas

Tamanho do texto Aa Aa

Pelo menos 19 pessoas morreram e cerca de uma centena ficou ferida na sequência de uma um atentado à bomba, esta sexta-feira, numa mesquita xiita da pequena localidade de al-Quadayh, província de Qatif, junto à costa do golfo pérsico, no leste da Arábia Saudita. O ataque foi já reivindicado pelo grupo Estado Islâmico (ISIL, sigla inglesa pela qual também é conhecida a organização “jihadista” árabe).

Point of view

Estávamos a cumprir a primeira parte das orações quando ouvimos a explosão

“Os soldados do califado da província de Najd”, avançaram os “jihadistas”, num comunicado citado pela AFP, terão sido os responsáveis através de um bombista suicida. “O irmão mártir Abu Amer al Nashdi irrompeu com o seu cinto de explosivos numa concentração de xiitas infiéis num templo de al-Quadayh”, lê-se na declaração citada pela EFE.


Antes, já o ministro do interior saudita, citado pela televisão saudita Al Arabya, tinha adiantado que “um bombista suicida” havia detonado “um cinto de explosivos oculto na roupa no momento em que os fiéis realizavam as tradicionais orações de sexta-feira na mesquita do Imã Ali Ibn Abi Taleb, na vila de al-Quadayh, situada na província de Qatif”. Um sobrevivente relatou à Reuters o momento da detonação: “Estávamos a cumprir a primeira parte das orações quando ouvimos a explosão.”

Em novembro, uma gravação atribuída ao alegado líder do ISIL, Abu Bakr al Bagdadi, proclamou um califado nas zonas controladas pelo grupo na Síria e no Iraque e convocou à guerra contra a Arábia Saudita. Nesse mesmo mês, registou-se um ataque à mão armada na localidade de al-Daluh, na província de al-Ahsá, no qual morreram oito pessoas. As autoridades sauditas detiveram mais de 70 pessoas implicadas nesse ataque e que teriam ligações ao grupo Estado Islâmico.

As províncias de al-Ahsá e Qatif pertencem à região saudita de al-Sharquiya e são de maioria xiita, a qual representa cerca de 10 por cento da população da Arábia Saudita, país em que predomina a fação sunita. Estes são também os dois grupos étnicos que assumem parte do atual conflito no Iémen, onde a Arábia Saudita lidera uma coligação militar aliada do Presidente iemenita contra os rebeldes xiitas “houthis.”