Última hora

Última hora

Moçambique: "Machava nunca fez parte da organização da marcha"

Em leitura:

Moçambique: "Machava nunca fez parte da organização da marcha"

Tamanho do texto Aa Aa

Segundo a publicação online moçambicana Confidencial, o jornalista Paulo Machava não era um dos organizadores da marcha de protesto contra o julgamento de Carlos Nuno Castel-Branco e dos jornalistas Fernando Mbanze e Fernando Veloso.

O Confidencial esteve presente na conferência de imprensa de apresentação da manifestação, que decorre na próxima segunda-feira, frente ao Tribunal Judicial KaMpfumo, em Maputo. Uma marcha promovida por “organizações da Sociedade Civil de promoção, defesa e proteção dos direitos humanos e cidadania”, como se pode ler no sítio na internet da publicação.

Em declarações a este meio de comunicação online, Armando Nenane, um dos organizadores do evento, afirmou que “Paulo Machava nunca fez parte da organização da marcha contra a liberdade de expressão.” Posição reiterada por Manuel de Rosário, representante da JOINT, que esclareceu: “Nunca vi o Paulo neste evento. Ainda que fizesse parte não podia ser um motivo bastante para ser associado a sua morte.”

Por esclarecer continuam os motivos que levaram ao assassinato de Paulo Machava. O diretor do jornal eletrónico moçambicano ‘Diário de Notícias’ fazia a sua caminhada matinal, esta sexta-feira, perto das seis horas da manhã, quando foi baleado mortalmente.

Segundo o Folha de Maputo a polícia confirmou, em conferência de imprensa, que o jornalista, foi assassinado a tiro por desconhecidos que circulavam numa carrinha de caixa aberta, de marca não identificada.