EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Moçambique: "Machava nunca fez parte da organização da marcha"

Moçambique: "Machava nunca fez parte da organização da marcha"
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
PUBLICIDADE

Segundo a publicação online moçambicana Confidencial, o jornalista Paulo Machava não era um dos organizadores da marcha de protesto contra o julgamento de Carlos Nuno Castel-Branco e dos jornalistas Fernando Mbanze e Fernando Veloso.

O Confidencial esteve presente na conferência de imprensa de apresentação da manifestação, que decorre na próxima segunda-feira, frente ao Tribunal Judicial KaMpfumo, em Maputo. Uma marcha promovida por “organizações da Sociedade Civil de promoção, defesa e proteção dos direitos humanos e cidadania”, como se pode ler no sítio na internet da publicação.

Em declarações a este meio de comunicação online, Armando Nenane, um dos organizadores do evento, afirmou que “Paulo Machava nunca fez parte da organização da marcha contra a liberdade de expressão.” Posição reiterada por Manuel de Rosário, representante da JOINT, que esclareceu: “Nunca vi o Paulo neste evento. Ainda que fizesse parte não podia ser um motivo bastante para ser associado a sua morte.”

Por esclarecer continuam os motivos que levaram ao assassinato de Paulo Machava. O diretor do jornal eletrónico moçambicano ‘Diário de Notícias’ fazia a sua caminhada matinal, esta sexta-feira, perto das seis horas da manhã, quando foi baleado mortalmente.

Segundo o Folha de Maputo a polícia confirmou, em conferência de imprensa, que o jornalista, foi assassinado a tiro por desconhecidos que circulavam numa carrinha de caixa aberta, de marca não identificada.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Jornalista moçambicano Paulo Machava assassinado

Ataque contra Trump pode influenciar eleitores indecisos nos Estados Unidos, diz analista

Centenas de pessoas participam no funeral de monge assassinado em Myanmar