Última hora

Última hora

Reino Unido vai acolher 20 mil refugiados sírios

Cameron dá prioridade às crianças - uma abordagem que o país pode ter por não pertencer ao Espaço Schengen

Em leitura:

Reino Unido vai acolher 20 mil refugiados sírios

Tamanho do texto Aa Aa

O Reino Unido vai acolher 20 mil refugiados sírios durante os próximos cinco anos. O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro. David Cameron, que falava perante o parlamento na ‘rentrée’ política, referiu que a prioridade será dada às “crianças vulneráveis e aos órfãos”.

Point of view

Como não fazemos parte do espaço sem fronteiras de Schengen, podemos decidir a nossa própria abordagem - David Cameron

Cameron anunciou igualmente uma ajuda de mais de 16 milhões de euros para melhorar as condições nos campos de refugiados da Turquia, Jordânia, Líbia e Síria.

“A Grã-Bretanha vai desempenhar o seu papel lado a lado com os parceiros europeus. Mas – e isto é importante – como não fazemos parte do espaço sem fronteiras de Schengen, podemos decidir a nossa própria abordagem”, defendeu o primeiro-ministro.

Embora concorde, a líder da oposição trabalhista, Harriet Harman, quer mais esforços e mais imediatos.

Ainda perante os deputados, o primeiro-ministro anunciou a morte de três jihadistas do grupo Estado Islâmico – dois dos quais britânicos-, ao confirmar o primeiro ataque aéreo britânico na Síria.

E apesar de não ter autorização parlamentar para bombardear o território, Camerou justificou os ataques: “O Reino Unido está a exercer um direito inerente à sua autodefesa. Havia provas claras de que os indivíduos em questão estavam a planear ataques armados contra o Reino Unido. Ataques que faziam parte de uma série de tentativas de ataques, reais e falhadas, contra o Reino Unido e os nossos aliados.”

Entre os jihadistas mortos encontrava-se Reyaad Khan, um jovem de 21 anos, originário de Cardiff e que se radicalizou sem que a família se apercebesse.

O ataque foi perpetrado por um “drone” da Royal Air Force, a 21 de agosto último. Dois outros jihadistas do Estado Islâmico, um dos quais igualmente britânico, foram igualmente mortos.