Última hora

Última hora

Emmanouilidis: "Alemanha está a exercer pressão sobre Estados-membros para se encontrar um compromisso"

Janis Emmanouilidis, do Centro de Política Europeia, comenta a atual crise migratória que afeta o velho continente. Em entrevista à Euronews

Em leitura:

Emmanouilidis: "Alemanha está a exercer pressão sobre Estados-membros para se encontrar um compromisso"

Tamanho do texto Aa Aa

Janis Emmanouilidis, do Centro de Política Europeia, comenta a atual crise migratória que afeta o velho continente. Em entrevista à Euronews, analisou a atual crise migratória que afeta o velho continente.

Efi Koutsokosta, euronews – Esta quinta-feira propagaram-se imagens da fronteira entre a Hungria e a Sérvia. Onde está a União Europeia (UE)? Perdeu o controlo?

Janis Emmanouilidis, Centro de Política Europeia – As imagens que vimos são horríveis. São imagens que acreditávamos não poder ver no seio da União Europeia ou na vizinhança direta da UE. Provavelmente, temos de nos mentalizar que as pessoas continuarão a vir. Independentemente das vedações construídas, da altura, as pessoas estão desesperadas e abandonam os países porque procuram um futuro melhor para os filhos. Isto significa que se trata de um cenário que não vai parar.

Efi Koutsokosta, euronews – Na semana passada, os ministros do Interior da UE falharam um acordo em relação ao sistema de quotas proposto pela Comissão Europeia. O que espera do próximo encontro agora que se fala na possibilidade de se adotar uma decisão por maioria qualificada?

Janis Emmanouilidis, Centro de Política Europeia – Esta é uma crise que se soma a outras como a crise do euro ou na relação com a Rússia. As crises estão, de certa forma interligadas, o que torna as coisas mais difíceis. Em termos políticos são más notícias para a União Europeia em geral.

Efi Koutsokosta, euronews – A Alemanha recebeu muitos refugiados e vai acolher quase um milhão de pessoas até ao final do ano. Ainda assim as fronteiras estão fechadas.

Janis Emmanouilidis, Centro de Política Europeia – A chanceler alemã decidiu abrir as fronteiras para receber refugiados, mas ao mesmo tempo também existe pressão interna, doméstica. O partido irmão da CDU de Angela Merkel exerce pressão a partir de Munique. Ao fechar as fronteiras, pelo menos de forma temporária, a Alemanha também está a exercer pressão sobre outros Estados-membros para se encontrar um compromisso a nível Europeu. Há várias razões pelas quais se estão a tomar estas medidas.

Efi Koutsokosta, euronews – O encerramento de fronteiras causou, no entanto, muitas tensões entre os Estados-membros e países da Europa. Está a agravar a crise.

Janis Emmanouilidis, Centro de Política Europeia – Sim. Infelizmente, por vezes, a nível europeu, assistimos a um agravamento das situações antes de se alcançar um compromisso. Talvez a cimeira da próxima semana seja o momento para encontrar um compromisso. As causas na raiz deste problema não serão superadas com uma decisão na próxima semana. Até porque continuam a chegar pessoas e mesmo recolocando 160 mil refugiados não se resolverá o desafio. Por isso, terá de fazer-se muito mais no futuro, coisas difíceis. Não estou certo de que a União Europeia conseguirá cooperar com essas coisas.