Última hora

Última hora

Netanyahu: Hitler não queria exterminar os judeus

Benjamin Netanyahu defende Hitler. Segundo o primeiro-ministro de Israel, Hitler não planeava exterminar os judeus, foi o Mufti de Jerusalém que o

Em leitura:

Netanyahu: Hitler não queria exterminar os judeus

Tamanho do texto Aa Aa

Benjamin Netanyahu defende Hitler. Segundo o primeiro-ministro de Israel, Hitler não planeava exterminar os judeus, foi o Mufti de Jerusalém que o convenceu.

As afirmações de Netanyahu, surgem na véspera de uma visita oficial à Alemanha e provocaram já protestos e desmentidos de políticos e historiadores em Israel e no mundo.

No discurso proferido esta quarta-feira no Congresso Mundial Sionista, em Jerusalém, o primeiro-ministro israelita relatou o que diz ter sido conversado entre Hitler e o Grande Mufti de Jerusalém, Haj Amin Al-Husseini, quando se encontraram em novembro de 1941:

“Este e outros ataques contra a comunidade judaica em 1920, 1921, 1929, foram instigados pelo Mufti de Jerusalém, Haj Amin Al-Husseini, que mais tarde foi procurado por crimes de guerra durante os julgamentos de Nuremberga, porque desempenhou um papel central na organização da solução final. Viajou para Berlim. Na altura, Hitler não queria exterminar os judeus, queria apenas expulsá-los. Foi Haj Amin Al-Husseini que disse a Hitler: ‘Se os expulsar, eles vão vir todos para aqui’. ‘Então o que é que faço com eles?’, perguntou Hitler, e ele respondeu ‘Queime-os’.”

Criticado em Israel

As declarações de Netanyahu foram imediatamente rejeitadas pelos mais proeminentes historiadores do Holocausto e figuras políticas de Israel.

O professor Dan Michman, historiador mundialmente reconhecido que dirige o Instituto de Estudos sobre o Holocausto na Bar-Ilan University de Israel e o Instituto Internacional para o Estudo do Holocausto do Yad Vashem, disse que, quando o encontro com o Mufti de Jerusalém aconteceu, Hitler tinha já dado início à “solução final”.

O ministro da Defesa de Israel, Moshe Yaalon, distanciou-se das afirmações do chefe do governo: “É claro que Haj Amin Al-Husseini não inventou a solução final. A história mostra claramente que foi Hitler quem a iniciou. Haj Amin Al-Husseini limitou-se a apoiá-lo.”

O líder da oposição israelita, Yitzhak Herzog, qualificou as declarações de Netanyahu de “perigosa distorção da história”.

Segundo Meir Litvak, professor do Departamento de História do Médio Oriente na Universidade de Tel Aviv, a ideia de aniquilar os judeus surgiu em 1939. O plano inicial era deportar os judeus da Europa para uma região do norte dos Montes Urais, para que ali morressem pela fome e doenças, mas o facto de a União Soviética não se ter rendido em 1941 obrigou as autoridades alemãs a abandonar este projeto. Foi então, que a ideia de exterminar os judeus surgiu, explicou Litvak, citado pelo jornal israelita Ynetnews.

O historiador acrescentou que “Husseini apoiou o extermínio dos judeus, tentou evitar que fossem salvos, recrutou árabes para as SS. Foi uma figura abominável, mas isto não pode diminuir a escala da responsabilidade de Hitler.”

Netanyahu: “a minha intenção não era absolver Hitler”

Antes da partida para Berlim, onde se encontrou com a chanceler Angela Merkel, o primeiro-ministro de Israel respondeu às críticas ao seu discurso. “Não tinha absolutamente nenhuma intenção de absolver Hitler da sua diabólica responsabilidade no extermínio dos judeus da Europa. Hitler foi responsável pela Solução Final que assassinou seis milhões de judeus, a decisão foi dele”, disse Netanyahu.

O chefe do governo israelita acrescentou que “Ao mesmo tempo, é absurdo ignorar o papel desempenhado pelo Mufti Haj Amin al-Husseini, um criminoso de guerra, que encorajou e incitou Hitler, Ribbentrop, Himmler e os restantes a exterminar os judeus da Europa.

Berlim: “sabemos que a Alemanha é responsável pelo Holocausto”

O governo alemão reagiu às declarações de Netanyahu frisando que a responsabilidade pelo Holocausto é da Alemanha.

“Todos os alemães conhecem a história da obsessão racial assassina dos Nazis, que conduziu à rutura com a civilização que foi o Holocausto”, disse o porta-voz da chancelar alemã, Steffen Seibert, questionado sobre o discurso do primeiro-ministro de Israel.

“Isto é ensinado nas escolas alemãs por uma boa razão, pois não deve ser nunca esquecido. Não vejo razões para alterar a nossa visão da história. Sabemos que a responsabilidade por este crime contra a humanidade é da Alemanha, uma responsabilidade muito nossa”, acrescentou Seibert.

Nomeado Mufti de Jerusalém pelos ingleses em 1921, Haj Amin al-Husseini foi uma das figuras árabes mais destacadas na Palestina durante o período do Mandato Britânico.