This content is not available in your region

COP21: Acordo sobre o clima provoca reações mistas

Access to the comments Comentários
De  Dulce Dias  com AFP, Reuters, AP
COP21: Acordo sobre o clima provoca reações mistas

<p>Na capital francesa, em Seattle ou em Manila, ecologistas e ativistas saíram às ruas para celebrar o acordo de Paris sobre o clima, mas também para dizerem que vão manter-se vigilantes.</p> <p>Da COP21 saiu o primeiro acordo universal de luta contra as alterações climáticas que estipula a necessidade de limitar a subida da temperatura a 1,5 graus centigrados, face aos valores da era pré-industrial.</p> <blockquote class="twitter-tweet" lang="fr"><p lang="en" dir="ltr">Richest 10% are causing <a href="https://twitter.com/hashtag/climatechange?src=hash">#climatechange</a>, study finds <a href="https://t.co/zIrWFNfbSM">https://t.co/zIrWFNfbSM</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/COP21?src=hash">#COP21</a> <a href="https://t.co/2uMlVX8P2o">pic.twitter.com/2uMlVX8P2o</a></p>— World Economic Forum (@wef) <a href="https://twitter.com/wef/status/676061605046669312">13 Décembre 2015</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>É bom mas não chega, como explica o diretor da GreenPeace France, Jean-François Julliard: “Tenho sentimentos mistos. O acordo é um bom ponto de partida e ainda bem que existe. Poderia ter sido uma catástrofe e não haver acordo nenhum. No entanto, não é suficientemente claro sobre o longo prazo e os meios para limitar o aquecimento a 2° e visar o um e meio. Não se salvou o planeta nem a humanidade da mudança climática, isso é claro, mas foi fixado um novo ponto de partida com um novo objetivo.”</p> <blockquote class="twitter-tweet" lang="fr"><p lang="fr" dir="ltr">[Vidéo] “<a href="https://twitter.com/hashtag/COP21?src=hash">#COP21</a> : 13 jours de négociations, en 7 minutes” via <a href="https://twitter.com/lemondefr"><code>lemondefr</a> > <a href="https://t.co/wU5VtvXKtn">https://t.co/wU5VtvXKtn</a> <a href="https://t.co/ShTDt5m1Kq">pic.twitter.com/ShTDt5m1Kq</a></p>&mdash; Ministère CultureCom (</code>MinistereCC) <a href="https://twitter.com/MinistereCC/status/676066108080857088">13 Décembre 2015</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>Seis anos depois do fracasso de Copenhaga, este acordo, assinado pelos 195 países participantes é muito positivo, congratula-se Miguel Arias Cañete, comissário europeu para a Ação Climática: </p> <p>“Tenho todos os elementos necessários. É um acordo que convém ao objetivo. É óbvio que as coisas podem ser sempre melhores, mas a perfeição é muito difícil de alcançar. Por isso, este acordo convém ao objetivo e é um grande passo desde Quioto.”</p> <p>Contrariamente ao protocolo de Quioto, assinado em 1997, nunca ratificados pelos Estados Unidos e que deixava de fora os países emergentes, o acordo de Paris reúne países desenvolvidos e em desenvolvimento. </p> <p>Todos se comprometeram a caminhar para modelos económicos que reduzam as emissões de dióxido de carbono e de outros gases com efeito de estufa. O acordo estipula ainda uma revisão quinquenal, a partir de 2025, e uma ajuda financeira em alta para os países do Sul.</p>