Última hora

Última hora

Terrorismo: Holandeses pedem mais cooperação entre serviços secretos internacionais

Funcionários europeus reuniram-se em Haia para debaterem a coordenação de estratégias contra os combatentes extremistas e militantes estrangeiros

Em leitura:

Terrorismo: Holandeses pedem mais cooperação entre serviços secretos internacionais

Tamanho do texto Aa Aa

Funcionários europeus reuniram-se em Haia para debaterem a coordenação de estratégias contra os combatentes extremistas e militantes estrangeiros que lutam em países como a Síria e o Iraque.

O encontro foi presidido pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros holandês, Bert Koenders.

A Holanda exorta a uma maior partilha de dados entre os serviços secretos, especialmente sobre a temática do terrorismo incluindo listas de supostos combatentes estrangeiros e respectivos dados bancários.

Os holandeses, que detêm a presidência rotativa da União Europeia, divulgaram um projecto sobre o objectivo de cerca de 250 delegados da Luta Antiterrorista Global para combater o grupo Estado Islâmico.

“Quando se trata de troca de informações tem que haver confiança entre as agências, é importante para garantir a precisão das informações, não apenas as de conhecimento geral, mas os nomes precisos, planos de viagem precisos, cartões de crédito precisos e tudo isso deve ser transmitido a tempo”, comenta Bert Koenders.

Embora exista um quadro jurídico para a partilha de informações confidenciais, os holandeses esperam poder aumentar o uso de bancos de dados das agências europeias e internacionais das polícias, Interpol e Europol. Parece ter sido esta a lição tirada dos atentados de Paris na sequência do déficit de informação, confirmado depois dos acontecimentos.