Última hora

Última hora

Crise dos Refugiados: Um Nobel pela solidariedade dos habitantes das ilhas gregas

Campanha para premiar os habitantes das ilhas gregas com o Prémio Nobel da Paz, pelo seu papel na crise migratória, ganha força.

Em leitura:

Crise dos Refugiados: Um Nobel pela solidariedade dos habitantes das ilhas gregas

Tamanho do texto Aa Aa

Para os habitantes das ilhas gregas, sobre quem paira uma possível atribuição do Nobel da Paz, pelo apoio ao gigantesco número de refugiados, a surpresa é grande. Para alguns, o que fizeram não foi nada de especial, talvez porque o considerem normal. Mas para os refugiados que usufruíram do calor humano, do apoio, proporcionado por esta gente, no momento em que mais precisavam, este gesto valeu-lhes, seguramente, a vida.

O drama dos refugiados arrasta-se desde o início de 2015. As autoridades gregas foram apanhadas de surpresa, coube aos habitantes e organizações humanitárias tomarem as rédeas da situação. O drama continua, nestas ilhas do Mar Egeu, e os seus residentes fazem o que podem para ajudar a colmatar as dificuldades que encontra quem aqui chega depois de desafiar a morte. Cerca de 900.000 refugiados passaram por aqui.

E foi por isso, para premiar o esforço destes gregos que não baixaram os braços, que surgiu uma petição online, assinada já, a 4 de fevereiro de 2016, por quase as 700 mil pessoas, o número a que se propõe, para que estes voluntários, o seu trabalho, a sua dedicação incondicional, seja reconhecido com o Nobel da Paz.

OS NÚMEROS DESTA CRISE

No total, em 2014, cerca de 41.000 refugiados e migrantes viajaram da costa turca para as ilhas situadas na costa oriental da Grécia, no Mar Egeu. Mas entre janeiro e agosto de 2015 o valor tinha mais do que duplicado, passando para cerca de 107.000 pessoas.

Em alguns casos, como as ilhas de Kos e Lebos ou as mais pequenas, Agathonisi e Leros, o número de refugiados suplantou, largamente, o número de residentes permanentes.

O IMPACTO NA ECONOMIA LOCAL

Segundo as autoridades gregas o impacto sobre o turismo foi enorme e agravou os efeitos, já significativos, da crise económica, a longo prazo. Ou seja, o impacto foi muito negativo.

Em Kos 178.000 reserva de hotel foram canceladas, em Leros e Lesbos os cancelamentos aumentaram 30%. Em Kos, as reservas de longo prazo, ou seja, para 2017, registaram uma queda de 60%.

MAU PARA A ECONOMIA BOM PARA O CORAÇÃO

Apesar da difícil situação, os residentes e voluntários que se mobilizaram nesta cruzada positiva, a favor dos refugiados, as suas histórias, começaram a atrair a atenção dos media internacionais.

A porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) na Grécia, Stella Nanou, disse à euronews:

“Os habitantes das ilhas do Egeu têm mostrado uma solidariedade incrível. Graças a eles, as consequências da crise humanitária não são mais profundas. Se não fosse isso, as coisas teriam sido muito piores.”

RECEBER DE BRAÇOS ABERTOS OS REFUGIADOS

Pessoas comuns e dezenas de organizações humanitárias trabalharam juntas no centro da crise. Entre elas, a ONG Angkalia (que em grego significa abraçar) e que foi lançada há dez anos, em Lesbos, para ajudar os habitantes locais que, na sequência da crise, passavam necessidades. Quando a onda de refugiados chegou a “Angkalia” estava lá.

Os armazéns da organização foram transformados em hotéis improvisados ​​para os refugiados. Nos últimos meses, membros e voluntários distribuíram alimentos, remédios e roupas a mais de 17.000 pessoas.

Irene Berteni, membro da “Angkalia”, afirmou à euronews:

“Chegámos ao nosso limite, não podemos sequer dormir, mas não podemos parar. As pessoas têm uma atitude positiva em relação aos refugiados, embora a Grécia esteja em crise, muitos jovens ajudam-nos.”

Recentemente a “Angkalia” recebeu um prémio honorário atribuído pelo Conselho da Europa.

“OS HERÓIS DO EGEU MERECEM O NOBEL

A candidatura ao Prémio Nobel da Paz foi lançada pelo movimento Avaaz e é apoiada por políticos, académicos de 24 universidades de todo o mundo, um núcleo que procura o reconhecimento para o “Movimento de Solidariedade do Egeu”, um grupo informal de residentes individuais e ONGs:

“Os residentes das ilhas gregas, e outros voluntários, têm estado na linha de frente na crise dos refugiados na Europa há meses, abrindo os seus corações e lares para salvar centenas de milhares de pessoas que fogem da guerra e do terror. Pela sua compaixão e coragem, pelo facto de terem tratado pessoas em perigo com humanidade e para que sejam um exemplo para o resto do mundo, nós, cidadãos de todo o mundo, nomeamos estas mulheres e homens valentes para o Prémio Nobel da Paz”.

Alkmini Minadaki, arquiteto e membro da Avaaz, de Creta, que começou a campanha, acredita que a unidade demonstrada pelos habitantes tem sido notável:

“Por todas as ilhas, toda a gente – dos pescadores às donas de casa, passando pelos reformados e professores – abriu os braços e casas aos refugiados que desembarcaram ali sem nada. As suas ações abafaram o medo e o racismo e recordaram-nos que somos um e unidos na nossa humanidade”.