Última hora

Última hora

Umberto Eco morreu mas deixa "enorme" legado cultural

*bold* Ao longo dos anos 1960, Eco transformou-se numa referência mundial na Teoria da Comunicação ao integrar à chamada Escola Sociológica Europeia nomes como Edgar Morin, Jean Baudrillard ou Rolan

Em leitura:

Umberto Eco morreu mas deixa "enorme" legado cultural

Tamanho do texto Aa Aa

O escritor italiano, Umberto Eco, autor de, entre outros, de “O Nome da Rosa”, morreu na noite de sexta-feira, aos 84 anos, conforme anunciou a família.

Semiólogo, filósofo, escritor e professor universitário, Eco nasceu a 05 de janeiro de 1932 em Alessandria, no noroeste de Itália, na região de Piemonte.

Em 1988 fundou o Departamento de Comunicação da Universidade de San Marino, tendo estreado-se na literatura em 1980 com “O Nome da Rosa”, que lhe valeu o Prémio Strega, em 1981.

No ano passado editou “Número Zero”, que coloca questões sobre jornalismo e as novas plataformas digitais, escolhendo como cenário narrativo a redação de um jornal diário.

Umberto Eco, que lecionou entre outras, nas universidades norte-americanas de Yale e Harvard, assim como no Collège de France, é autor de uma vasta bibliografia ensaísta, citando-se, entre outros, “O signo” e “Os limites da interpretação”.

Desde 2008 era professor emérito e presidente da Escola Superior de Estudos Humanísticos da Universidade de Bolonha.

Ao longo dos anos 1960, Eco transformou-se numa referência mundial na Teoria da Comunicação ao integrar à chamada Escola Sociológica Europeia nomes como Edgar Morin, Jean Baudrillard ou Roland Barthes.

Esse grupo foi marcado por uma visão menos negativa sobre os meios de comunicação de massa, dissociando-se das críticas funcionalistas e da Escola de Frankfurt.