Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Umberto Eco morreu mas deixa "enorme" legado cultural

Umberto Eco morreu mas deixa "enorme" legado cultural
Tamanho do texto Aa Aa

O escritor italiano, Umberto Eco, autor de, entre outros, de “O Nome da Rosa”, morreu na noite de sexta-feira, aos 84 anos, conforme anunciou a família.

Semiólogo, filósofo, escritor e professor universitário, Eco nasceu a 05 de janeiro de 1932 em Alessandria, no noroeste de Itália, na região de Piemonte.

Em 1988 fundou o Departamento de Comunicação da Universidade de San Marino, tendo estreado-se na literatura em 1980 com “O Nome da Rosa”, que lhe valeu o Prémio Strega, em 1981.

No ano passado editou “Número Zero”, que coloca questões sobre jornalismo e as novas plataformas digitais, escolhendo como cenário narrativo a redação de um jornal diário.

Umberto Eco, que lecionou entre outras, nas universidades norte-americanas de Yale e Harvard, assim como no Collège de France, é autor de uma vasta bibliografia ensaísta, citando-se, entre outros, “O signo” e “Os limites da interpretação”.

Desde 2008 era professor emérito e presidente da Escola Superior de Estudos Humanísticos da Universidade de Bolonha.

Ao longo dos anos 1960, Eco transformou-se numa referência mundial na Teoria da Comunicação ao integrar à chamada Escola Sociológica Europeia nomes como Edgar Morin, Jean Baudrillard ou Roland Barthes.

Esse grupo foi marcado por uma visão menos negativa sobre os meios de comunicação de massa, dissociando-se das críticas funcionalistas e da Escola de Frankfurt.