Última hora

Última hora

Linha Direta: Hesitação de Putin perante "afogamento" de Erdogan e Poroshenko

Presidente da Rússia participou na 14.a edição de uma iniciativa em que acede a responder durante várias horas e em direto para a televisão a uma seleção de perguntas de cidadãos. Este ano, foram rece

Em leitura:

Linha Direta: Hesitação de Putin perante "afogamento" de Erdogan e Poroshenko

Tamanho do texto Aa Aa

Vladimir Putin dedicou esta quinta-feira à já habitual “Linha Direta”, uma iniciativa em que o presidente da Rússia se disponibiliza para responder a perguntas enviadas pelos cidadãos de todas as partes da Federação russa, incluindo, uma vez mais, a região autónoma da Crimeia, anexada de forma unilateral há dois anos no início do conflito na Ucrânia.

Point of view

Estamos sempre prontos a dar uma mão e oferecer ajuda aos nossos parceiros sempre que eles a desejem.

Entre muitos assuntos sérios abordados, como o conflito na Síria, a economia russa, o escândalo de “doping” que pode custar a presença russa nas olimpíadas ou a instabilidade política ucraniana, foram selecionadas algumas perguntas curiosas de entre as mais de 2,3 milhões recebidas. Uma delas, por exemplo, envolveu os presidentes da Ucrânia e da Turquia, com quem Moscovo mantém relações azedas ou inexistentes.

(Leia a transcrição na íntegra do “Linha Direta” em…)

Perguntou a entrevistadora: “Se, neste momento, Petro Poroshenko e Erdogan se estivessem a afogar, quem tentava ajudar primeiro? É uma pergunta de Varya Kuznetsova, de 12 anos.”

Putin hesitou em responder e mostrou-se sobretudo admirado ao perceber a idade do autora da questão, mas lá respondeu. O líder do Kremnlin aproveitou para deixar um recado implícito a quem não está ao lado de Moscovo numa altura difícil em que o ocidente impôs diversas sanções aos russos por causa, em particular, do sucedido na Crimeia: “Se uma pessoa decide afogar-se, é impossível salvá-la. Mas nós estamos sempre prontos a dar uma mão e oferecer ajuda aos nossos parceiros sempre que eles a desejem.”

Sobre o governo da Ucrânia, que esta quinta-feira elegeu de forma interina um novo primeiro-ministro, foi perguntado ao Presidente da Rússia o que pensava do novo executivo agora abaixo do homólogo Petro Poroshenko. “Nada. Não conheço a composição nem as suas prioridades. Apenas sei o que estava planeado e o que foi feito. O plano do Governo anterior consistia em nove pontos. Eles apenas cumpriram dois”, atirou.

Da Crimeia, já perto do final desta edição do “Linha Direta”, surgiu a pergunta sobre a evental recandidatura à presidência da Rússia em 2018. Putin optou por não responder diretamente à questão, preferindo sublinhar a prioridade de se concentrar no trabalho que tem agora em mãos.

Ao todo, Vladimir Putin dedicou 03h40 a responder a 80 perguntas selecionadas de entre as mais de 2,3 milhões alegadamente recebidas pela produção deste “Linha Direta”, a iniciativa que o Presidente da Rússia já leva na 14.a edição e onde se predispõe a responder a todo o tipo de perguntas. Desta vez, até da ex-mulher falou.