This content is not available in your region

Brexit: Sair ou não sair? Eis a campanha

Access to the comments Comentários
De  Antonio Oliveira E Silva  com AFP, REUTERS, LUSA
Brexit: Sair ou não sair? Eis a campanha

<p>O primeiro-ministro britânico, David Cameron, esforça-se na sua campanha pelo “remain” (permanecer em inglês), a favor de que o Reino Unido permaneça na União Europeia. </p> <p>Cameron esteve esta quinta-feira na estação de televisão privada Sky News e pediu aos eleitores que não hipotecassem o seu futuro nem o das futuras gerações ao decidir-se pelo Brexit. </p> <p>O primeiro-ministro britânico insistiu em que conseguiu um estatuto especial para o Reino Unido dentro da União e que, com essas condições, só poderia ser um entusiasta da presença de Londres na UE. </p> <p>“Consegui fortalecer o nosso estatuto especial. Protegi os nossos interesses, como o mercado comum. E protegi-nos em relação aos temas com os quais menos estamos de acordo, como a zona euro e o levantamento das fronteiras”, disse Cameron na Sky News.</p> <p>“Assim posso dizer que, se fosse com as condições de outro país, a situação seria distinta, mas as condições acordadas para o Reino Unido não as condições certas para o Reino Unido e penso que devemos permanecer na UE”, acrescentou. </p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt"><p lang="en" dir="ltr">Tonight I set out the choice: moving our economy forward or weakening our economy by quitting Europe <a href="https://twitter.com/hashtag/InOrOut?src=hash">#InOrOut</a> <a href="https://t.co/6oyRAEWLeI">pic.twitter.com/6oyRAEWLeI</a></p>— David Cameron (@David_Cameron) <a href="https://twitter.com/David_Cameron/status/738460761736019968">2 de junho de 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>Mas os que partidários do Brexit não descansam. O antigo presidente da câmara de Londres, Boris Johnson, convicto e entusiasta da saída da UE, continua com a sua campanha, tirando partido da sua personalidade mediática. </p> <p>Apelou esta quinta-feira a um Reino Unido livre das ordens de Bruxelas. </p> <p>“Qual é a proporção de leis debatidas no Palácio de Westminster que acham ser de Bruxelas, neste momento?<br /> Alguém tem alguma ideia? Quem dá trinta por cento? Quem dá mais? Devo dizer a resposta? É sessenta por cento”, exclamou Johnson, quando se encontrava num leilão de gado.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt"><p lang="en" dir="ltr">Download the official Vote Leave App today! Together we will <a href="https://twitter.com/hashtag/TakeControl?src=hash">#TakeControl</a> on 23 June <a href="https://t.co/yNlPNVxZbu">https://t.co/yNlPNVxZbu</a> <a href="https://t.co/ZyXgzqL7P9">pic.twitter.com/ZyXgzqL7P9</a></p>— Vote Leave (@vote_leave) <a href="https://twitter.com/vote_leave/status/737608389530812416">31 de maio de 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>O principal líder da oposição, Jeremy Corbyn, apelou ao voto contra o Brexit num encontro em Londres na quinta-feira.</p> <p>Corbyn e Cameron não surgiram, até ao momento, juntos em campanha. </p> <blockquote class="twitter-video" data-lang="pt"><p lang="en" dir="ltr">You have 5 days left to register to vote for the EU referendum <a href="https://t.co/7bYgtgeefb">https://t.co/7bYgtgeefb</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/Eureferendum?src=hash">#Eureferendum</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/LabourIn?src=hash">#LabourIn</a><a href="https://t.co/8ZDQAUUtEa">https://t.co/8ZDQAUUtEa</a></p>— Jeremy Corbyn MP (@jeremycorbyn) <a href="https://twitter.com/jeremycorbyn/status/738472086356660224">2 de junho de 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <h3>Sondagens voláteis, Brexit à frente</h3> <p>Na semana passada, as sondagens mostravam os dois campos muito próximos, com os indecisos a jogarem um papel fundamental no futuro do Reino Unido na Europa. </p> <p>Entretanto, duas sondagens dadas a conhecer esta quinta-feira indicam que o Brexit poderia vencer, ainda que por escassa margem.</p> <p>Os apoiantes do Brexit surgem em primeiro lugar os inquéritos realizados para o diário The Guardian.</p> <p>A primeira sondagem, feita “online,” dá aos apoiantes do Brexit 47% das intenções de voto, contra 44% dos apoiantes da manutenção e 9% de indecisos.</p> <p>Já a sondagem telefónica dá ao “sim” à saída da UE 45% das intenções de voto, contra 42% dos defensores do “não” e 13% de indecisos.</p> <p>A média das duas sondagens, excluídos os indecisos, mostra que 52% das pessoas inquiridas estão a favor de uma saída do Reino Unido da União, contra 48% que apoiam a manutenção.</p> <h3>Merkel quer um Reino Unido mais forte na Europa</h3> <p>Para Angela Merkel, a chanceler alemã, o Reino Unido será mais forte ao permanecer na União Europeia.</p> <p>“É naturalmente uma decisão das cidadãs e cidadãos do Reino Unido, que votarão no referendo. Pessoalmente, já o disse várias vezes, espero que o Reino Unido fique na União Europeia”, disse Merkel à imprensa esta quinta-feira (2). </p> <p>“Penso que somos mais fortes quando estamos sentados em conjunto no seio da UE. Todas as partes — o Reino Unido e os outros Estados membros — podem apresentar os argumentos que lhes interessam de modo mais eficaz que negociando a partir do exterior”, adiantou.</p> <p>Quando se encontrou com David Cameron, em fevereiro, Merkel relembrou-lhe que a sua vontade é que o Reino Unido fique na UE.</p> <p>“Espero que o Reino Unido seja, e continue a ser, um membro ativo de uma União Europeia bem-sucedida”, disse Merkel.</p>