Última hora

Em leitura:

Israel proíbe entrada de 83 mil palestinianos na sequência do ataque

mundo

Israel proíbe entrada de 83 mil palestinianos na sequência do ataque

Publicidade

Israel suspendeu as autorizações de entrada que tinha concedido a mais de 80 mil palestinianos por causa do Ramadão, na sequência do atentado de quarta-feira em Telavive.

Em Jerusalém fica a Mesquita de Al-Aqsa, o terceiro local mais sagrado do islamismo, aonde muitos palestinianos gostariam de poder ir rezar durante o mês sagrado para os muçulmanos.

Dois homens, identificados pela polícia israelita como palestinianos, atacaram ontem
um restaurante, mas os israelitas não querem ceder ao medo. “Graças a Deus estamos vivos. Continuamos com as nossas vidas, acordando para ir trabalhar. Ninguém vai eliminar-nos. Claro que fiquei assustada com o que aconteceu, mas a vida continua”, diz Jessica Levy, residente no local do ataque.

Um vídeo de segurança mostra o pânico no restaurante atacado quarta-feira. Quatro pessoas morreram e dezasseis ficaram feridas.

Os atacantes foram identificados pelas autoridades israelitas como dois primos palestinianos originários de Yata. Ahmad Mussa Mahmara, pai de um dos alegados atacantes, mostra-se surpreendido “Claro que foi difícil receber uma notícia destas, porque o meu filho não pertence a qualquer partido político ou organização, mesmo se tem dois tios detidos, com penas de prisão perpétua. Mas não esperávamos isto. O meu filho é jovem e esteve na Jordânia nos últimos quatro anos. Só veio cá nos últimos cinco meses. Não tem qualquer afiliação política”.

Desde outubro, 32 israelitas e 2 norte-americanos foram mortos por palestinianos. As forças israelitas mataram a tiro 196 palestinianos, 134 dos quais acusados de serem atacantes.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Artigo seguinte