Última hora

Em leitura:

Abbas Kiarostami fica para a história como um dos maiores génios do cinema iraniano


cinema

Abbas Kiarostami fica para a história como um dos maiores génios do cinema iraniano

Abbas Kiarostami fica para a história como um dos maiores génios do cinema iraniano. O realizador faleceu, esta segunda-feira, aos 76 anos.

Ao contrário de outros cineastas da sua geração, Kiarostami viveu e trabalhou quase toda a vida no Irão, contornando a censura do regime iraniano graças a um estilo muito próprio que mistura poesia e um olhar direto e cru sobre a sociedade.

Apesar da maioria dos filmes terem sido rodados no Irão, a partir de 2008, as restrições impostas pelo regime de Mahmoud Ahmadinejad obrigaram-no a virar-se para o estrangeiro. Em 2010, rodou em Itália “Cópia Certificada” um dos seus grandes sucessos comerciais. A protagonista do filme, Juliette Binoche, venceu o prémio de melhor atriz em Cannes.

Nascido em Teerão, Kiarostami estudou pintura e trabalhou em publicidade antes de se dedicar ao cinema. Realizou a primeira longa-metragem em 1977, e, em 1987 venceu o Leopardo de Bronze em Locarno com “Onde Fica a Casa do Meu Amigo?” Em 1997, arrecadou a Palma de Ouro no Festival de Cannes com o filme “O Sabor da Cereja”. Filmado no Japão, “Like Someone in Love” foi o último filme de Kiarostami a integrar a competição oficial do festival de Cannes, em 2012.

Abbas Kiarostami faleceu, em Paris, onde se encontrava internado há cerca de um mês para tratar um cancro nos intestinos.

Escolhas do editor

Artigo seguinte
Willem Dafoe homenageado no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary

cinema

Willem Dafoe homenageado no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary