Última hora

Em leitura:

Pena de morte: Erdogan diz que o povo é que manda

mundo

Pena de morte: Erdogan diz que o povo é que manda

Publicidade

ALL VIEWS

Clique para descobrir

Milhares de pessoas participaram, este domingo, na manifestação de apoio ao chefe de Estado turco, em Istambul. Uma iniciativa promovida pelo Partido da Justiça e do Desenvolvimento, no poder.

Um encontro para lembrar os que morreram durante a tentativa de golpe de Estado, em julho, e os que ficaram mais fortes.

O discurso de Recep Tayyip Erdogan ficou marcado pela possibilidade de a Turquia reintroduzir a pena de morte.

“A soberania de uma nação é incondicional. Se o povo quiser a pena de morte, os partidos políticos devem, na minha opinião, seguir essa vontade” afirma.

Fora da manifestação ficaram milhares de pessoas detidas durante a caça às bruxas no país. Erdogan diz que a Turquia é um país democrático e explica porquê:

“Quis falar à comunidade turca em videoconferência durante uma manifestação de apoio na Alemanha, mas não me deixaram. É esta a democracia na Alemanha. Mas eles contactam os campos do PKK, em Kandil, e alimentam os terroristas que um dia os vão atacar.”

Os dirigentes dos principais partidos da oposição, também, marcaram presença na manifestação que os organizadores dizem ser a maior de sempre. A formação pró-curda HDP – Partido Democrático dos Povos – não foi convidada por causa das alegadas ligações à guerrilha do PKK, Partido dos Trabalhadores do Curdistão.

ALL VIEWS

Clique para descobrir

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Artigo seguinte