Última hora

Em leitura:

Turquia reforça presença na Síria, curdos denunciam o uso de armas químicas

mundo

Turquia reforça presença na Síria, curdos denunciam o uso de armas químicas

Publicidade

Ao quarto dia da ofensiva no norte da Síria, a Turquia continua a reforçar-se ainda com mais tanques junto a Jarablus, a cidade tomada quarta-feira ao “Daesh”, em colaboração com o Exército Livre sírio. A operação intitulada “Escudo de eufrates” é vista por Damasco e pelas forças curdas da região como uma violação territorial turca.

Do lado curdo, surge a acusação de que a Turquia estará a recorrer a armas químicas (twit em baixo) contra as YPG, as milícias armadas do Curdistão Sírio, que também têm vindo a combater os “jihadistas” naquela região com apoio dos Estados Unidos e integrados nas chamadas Forças Democráticas da Síria (SDF, na sigla inglesa).

A coligação responsável, por exemplo, pela conquista no início do mês ao grupo terrorista autoproclamado Estado Islâmico no início da cidade de Manbij, situada 40 quilómetros a sul de Jarablus e da fronteira turca.

O grupo armado curdo é visto como o braço armado do Partido de União Democrático (PYD), do Curdistão sírio, um suposto aliado do Partido dos Trabalhadores do Curdistão turco (PKK), organização reconhecida por Ancara, pelos Estados Unidos e pela União Europeia como terrorista, tendo inclusive reivindicado o ataque de sexta-feira, em Cizre, no sul da Turquia, contra uma esqudra da polícia, no qual morreram 11 polícias.

O atentado poderá ter sido uma reação ao ataque de quinta-feira da Turquia contra alegadas posições das YPG, a norte de Manbij. Os bombardeamentos turcos, que fontes curdas alegam ter incluído armas químicas e atingido civis, terão acontecido depois de Ancara ter recebido infotrmações de que milícias curdas estariam a encaminhar-se para Jarablus, com o intuito de ocupar a cidade abandonada pelo “Daesh” e, eventualmente, vir a reclamar a independência do Curdistão numa área que abrange o norte da Síria, o norte do Iraque e parte do sul da Turquia, junto a Cizre.

Em declarações à televisão estatal turca, o primeiro-ministro Binali Yıldırım assumiu que “a Turquia não vai tolerar qualquer entidade turca junto à sua fronteira” por considerar esta proximidade “uma grande ameaça à segurança nacional.”

“O Exército Livre da Síria está instalado em Jarablus e começou a controlar as vilas e aldeias nas redondezas. Toda a zona, porém, incluindo Jarablus, tem de ser limpa do PYD e do YPG. Só podem ali estar sírios”, afirmou Yldirim, quarta-feira, num programa de televisão do canal Haberturk.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Artigo seguinte