EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Turquia reforça presença na Síria, curdos denunciam o uso de armas químicas

Turquia reforça presença na Síria, curdos denunciam o uso de armas químicas
Direitos de autor 
De  Francisco Marques com rudaw, anadolu
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Quarto dia da ofensiva turca na região de Jarablus contra grupos terroristas depois de ter bombardeado quinta-feira supostos aliados dos independentistas PKK junto a Manbij.

PUBLICIDADE

Ao quarto dia da ofensiva no norte da Síria, a Turquia continua a reforçar-se ainda com mais tanques junto a Jarablus, a cidade tomada quarta-feira ao “Daesh”, em colaboração com o Exército Livre sírio. A operação intitulada “Escudo de eufrates” é vista por Damasco e pelas forças curdas da região como uma violação territorial turca.

Do lado curdo, surge a acusação de que a Turquia estará a recorrer a armas químicas (twit em baixo) contra as YPG, as milícias armadas do Curdistão Sírio, que também têm vindo a combater os “jihadistas” naquela região com apoio dos Estados Unidos e integrados nas chamadas Forças Democráticas da Síria (SDF, na sigla inglesa).

#BREAKING Rockets fired frm #Jarablus hit civilians in rural #Manbij, causing irritation/itching after gas emissions pic.twitter.com/CrJDByGw9V

— Rojava Defense Units (@DefenseUnits) 25 de agosto de 2016

A coligação responsável, por exemplo, pela conquista no início do mês ao grupo terrorista autoproclamado Estado Islâmico no início da cidade de Manbij, situada 40 quilómetros a sul de Jarablus e da fronteira turca.

O grupo armado curdo é visto como o braço armado do Partido de União Democrático (PYD), do Curdistão sírio, um suposto aliado do Partido dos Trabalhadores do Curdistão turco (PKK), organização reconhecida por Ancara, pelos Estados Unidos e pela União Europeia como terrorista, tendo inclusive reivindicado o ataque de sexta-feira, em Cizre, no sul da Turquia, contra uma esqudra da polícia, no qual morreram 11 polícias.

O atentado poderá ter sido uma reação ao ataque de quinta-feira da Turquia contra alegadas posições das YPG, a norte de Manbij. Os bombardeamentos turcos, que fontes curdas alegam ter incluído armas químicas e atingido civis, terão acontecido depois de Ancara ter recebido infotrmações de que milícias curdas estariam a encaminhar-se para Jarablus, com o intuito de ocupar a cidade abandonada pelo “Daesh” e, eventualmente, vir a reclamar a independência do Curdistão numa área que abrange o norte da Síria, o norte do Iraque e parte do sul da Turquia, junto a Cizre.

Em declarações à televisão estatal turca, o primeiro-ministro Binali Yıldırım assumiu que “a Turquia não vai tolerar qualquer entidade turca junto à sua fronteira” por considerar esta proximidade “uma grande ameaça à segurança nacional.”

PM #Yıldırım spoke during a live television program on #Turkey's Operation Euphrates Shield. https://t.co/VPq6VsNdSmpic.twitter.com/tLob3SvVm9

— Turkey PM Press&Info (@ByegmENG) 25 de agosto de 2016

“O Exército Livre da Síria está instalado em Jarablus e começou a controlar as vilas e aldeias nas redondezas. Toda a zona, porém, incluindo Jarablus, tem de ser limpa do PYD e do YPG. Só podem ali estar sírios”, afirmou Yldirim, quarta-feira, num programa de televisão do canal Haberturk.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Israel ataca unidade de defesa aérea no sul da Síria com mísseis

Embaixador iraniano na Síria promete retaliação após alegado ataque israelita destruir consulado

Ataque israelita destrói consulado iraniano em Damasco e mata alta patente militar