Última hora

Em leitura:

Brasil: A última chance de Dilma. Primeiras notas do discurso da presidente suspensa.

mundo

Brasil: A última chance de Dilma. Primeiras notas do discurso da presidente suspensa.

Publicidade

Com Lurdes Duro Pereira. Notícia atualizada às 15h15 GMT

O Brasil poderá pôr fim a 13 anos de poder do Partido dos Trabalhadores de Lula da Silva e Dilma Rousseff esta segunda-feira, depois de quase 300 dias de investigação.

A presidente suspensa começou o seu discurso perante os Senadores pouco antes das 10 horas de Brasília ( 14h horas em Lisboa e Luanda, uma hora mais tarde em Maputo).

Dilma Rousseff, suspensa em maio, começou por dizer que nunca cometeria os crimes de que é acusada:

“Jamais atentaria contra o que acredito ou praticaria atos contrários aos interesses daqueles que me defenderam.”

Dilma Rousseff recordou, no início do seu discurso no Senado, que o seu percurso político se encontra marcado pela luta contra a ditadura militar brasileira:

“Recebi no meu corpo as marcas da tortura. Vi companheiros e companheiras sendo violentados e até assassinados. Na época, era muito jovem. Tinha muito a esperar da vida. (…) Mas resisti à tempestade de terror que começava a me engolir.”

Dilma Rousseff disse ainda que lutou por um país com menos desigualdades:

“Lutei por uma sociedade onde não houversse miséria nem exlcuídos. Por um Brasil mais soberano (…).”

“Aos quase 70 anos de idade, não iria ser agora que abdicaria dos princípios que sempre me guiaram.”

A presidente suspensa rejeitou as acusações de que é alvo por parte dos autores do impeachement.

“Não cometi os crimes injusta e arbitráriamente. Hoje, o Brasil, o mundo e a História nos observam e aguardam o desfecho deste impeachement. As acusações são meros pretextos (..) com uma fraca retórica jurídica.”

Dilma Rousseff criticou ainda o Governo formado pelo presidente interino Michel Temer, que classificou como ultraconservador. Definiu a tentativa de destituição como “um golpe de Estado”:

“Um golpe que se for consumado, resultará na eleição indireta de um Governo usurpador.”

“Um Governo sem mulheres que dispensa os negros na sua composição ministerial e que ja revelou um profgundo dersprezo pelo programa aprovado pela presidente e pelo povo em 2014.”

O que está em jogo é a auto-estima dos brasileiros e brasileiras que resistiram aos ataques dos pessimistas de plantão (…).

São necessários 54 votos para a destituição ou impeachement de Dilma Rousseff.

O presidente interino Michel Temer afirma contar com pelo menos 60. Segundo o diário carioca O Globo, apenas dezoito senadores apoiam a presidente suspensa.

Polarizado, o Brasil entra assim numa nova era, cujo início fica marcado por tensões políticas, sociais e económicas, 24 anos depois da destituição do presidente Collor de Mello.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

tradução automática

tradução automática

Artigo seguinte