Última hora

Em leitura:

Coreia do Sul: Advogados alegam que não há provas tangíveis contra presidente


Coreia do Sul

Coreia do Sul: Advogados alegam que não há provas tangíveis contra presidente

Não há provas tangíveis que fundamentem a destituição da presidente da Coreia do Sul. Este foi o argumento utilizado pelos advogados de Park Geun-hye, esta quinta-feira, perante o tribunal constitucional, que está a analisar o pedido de destituição votado pelo parlamento a 9 de dezembro.

A presidente sul-coreana caiu em desgraça com a detenção de uma velha amiga, Choi Soon-sil, que esta quinta-feira começou a ser julgada num processo penal por fraude e abuso de poder. A arguida é acusada de se aproveitar da sua relação com a chefe de Estado para pressionar as grandes empresas nacionais a doarem somas a fundações por ela controladas e que financiaram em seguida iniciativas políticas de Park Geun-hye. A presidente é citada como cúmplice mas não foi acusada por beneficiar de imunidade.

Park Geun-hye refuta as acusações de corrupção. Com o voto parlamentar do mês passado a presidente ficou com os poderes suspensos e as suas funções são agora desempenhadas pelo primeiro-ministro.

O caso suscitou grandes protestos no país. Por isso a acusação alegou, esta quinta-feira, no tribunal constitucional que a destituição permitirá restaurar a ordem constitucional.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Itália

Itália: Fachada da Basílica de Norcia colocada em segurança