Última hora

Última hora

Síria: 13 mil pessoas enforcadas nos calabouços do regime

A Amnistia Internacional denuncia o que considera ser a política de exterminação levada a cabo em segredo pelo regime sírio.

Em leitura:

Síria: 13 mil pessoas enforcadas nos calabouços do regime

Tamanho do texto Aa Aa

A Amnistia Internacional denuncia o que considera ser a política de exterminação levada a cabo em segredo pelo regime sírio.

Segundo a organização, pelo menos 13 mil prisioneiros teriam sido mortos por enforcamento em Saydnaya, uma das principais cadeias militares do país, nos arredores de Damasco.

“Transferidos” para a forca

Graças ao testemunho de 84 pessoas, a Amnistia relata um sistema de tortura e extermínio, em vigor entre 2011 e 2015 e dirigido contra membros da oposição a Bashar Al-Assad.

Segundo Lynn Maalouf, responsável pela investigação:

“A cada semana, habitualmente às segundas e quartas, grupos de entre 20 a 50 detidos eram retirados das celas sob o pretexto que deveriam ser transferidos para uma prisão civil. Mas em vez disso, eram levados para outro edifício dentro da prisão de Saydnaya para serem enforcados”.

Crimes de guerra

A Amnistia fala de crimes de guerra e de crimes contra a humanidade, quando denuncia igualmente os casos de tortura de detidos em celas sobrelotadas e condições de higiene deploráveis.

Desde o início do conflito que mais de 17 mil pessoas teriam sucumbido nos calabouços do regime sírio. A ONU tinha denunciado, no ano passado, a política de extermínio levada a cabo nas prisões de Bashar Al-Assad.