Última hora

Em leitura:

Um ano depois dos atentados de Bruxelas, a Bélgica homenageou as vítimas do terrorismo


A redação de Bruxelas

Um ano depois dos atentados de Bruxelas, a Bélgica homenageou as vítimas do terrorismo

Foi enorme a emoção esta manhã em Bruxelas, na cerimónia de homenagem às vítimas dos atentados que atingiram a capital belga há um ano.

Sarah Esmael Fazal, cuja irmã foi morta nesse dia negro para a Europa, não conseguiu conter as lágrimas:
“Por favor, façam com que estas belas almas não nos tenham deixado para nada. Façamos a promessa de tomarmos conta uns dos outros; era o que a Sabrina teria querido”.

O casal real conversou com muitos dos familiares das vítimas e com vários dos que trabalhando em serviços de emergência tiveram que intervir em missões de socorro.

Bruxelas prestou homenagem também nesta cerimónia aos que foram atingidos pelo terrorismo em Paris, Nice, Turquia e outros países do mundo. O rei Filipe referiu-os no seu discurso: “Há famílias com inúmeras vítimas no mundo inteiro. Vocês partilham com elas a dor profunda causada pela loucura mortal”

O terror que Bruxelas viveu no ano passado foi o pior na história da Bélgica. Foi pouco antes das 8 da manhã, no dia 21 de março, que dois belgas muçulmanos se fizeram explodir no aeroporto de Zaventem; duas explosões na zona do check in do terminal. Apenas uma hora mais tarde, outra explosão no coração da cidade, no bairro das instituições europeias, na estação de metro de Maelbeek. No total, os atentados mataram 32 pessoas e deixaram feridas mais de 300.

Esta quarta-feira o aeroporto de Bruxelas fez um minuto de silêncio à hora exata em que as bombas explodiram; na estação de metro decorreu também uma cerimónia.
Jonathan Selemani, cuja namorada perdeu a vida em Maelbeek, participou nas comemorações: “Foi muito duro no princípio. Pensamos se deveríamos vir ou não mas por ela, temos que ser fortes. Devemos ser fortes e enfrentar os nossos receios. Penso que fizémos bem vir toda a família e tudo se passou com muito respeito”.

Para marcar este primeiro aniversário foi inaugurado um monumento às vítimas nas próximidades das instituições europeias. O repórter da Euronews, Damon Embling, acompanhou as cerimónias:
“Este monumento ostenta a mensagem: “Feridos mas ainda de pé”. E, um ano depois, é esta mensagem de solidariedade e desafio que Bruxelas quer enviar, enquanto continua a fazer o luto na sombra do terror que atingiu a cidade”.

Xavier Bettel: "Prefiro uma Europa a duas velocidades que uma Europa em ponto morto"

A redação de Bruxelas

Xavier Bettel: "Prefiro uma Europa a duas velocidades que uma Europa em ponto morto"