Última hora

75 anos à espera dos pais

A descoberta dos corpos congelados do casal desaparecido há 75 anos nos Alpes suíços trouxe alegria e alívio aos filhos

Em leitura:

75 anos à espera dos pais

Tamanho do texto Aa Aa

Um casal suíço desaparecido há 75 anos nos Alpes, foi encontrado na semana passada, graças ao derretimento de um glaciar. Os corpos congelados de Marcelin e Francine Dumoulin foram descobertos por um trabalhador do teleférico do glaciar de Tsanfleuron, no Maciço Montanhoso de Les Diablerets, a uma altitude de 2.615 metros.

A descoberta trouxe alegria e alívio aos filhos, felizes por poderem finalmente dar um funeral cristão aos pais. Marcelin e Francine Dumoulin tinham 40 e 37 anos quando no dia 15 de agosto de 1942 saíram de casa, em Chandolin, no cantão de Valais, para cuidar do gado que tinham nas pastagens alpinas. Não voltaram a ser vistos e os sete filhos foram entregues para adoção.

Marceline Udry-Dumoulin, de 79 anos de idade, era uma das filhas mais pequenas do casal. Entrevistada em Chandolin, onde continua a morar, disse que depois de ter passado tantos anos a procurar os pais sem nunca encontrar nenhum traço deles, perdera a esperança de poder dar-lhes um dia um enterro cristão.

“Depois de 75 anos de espera, esta notícia traz-me uma grande paz interior. Tinha pensado este ano ir ao glaciar, para o aniversário do desaparecimento, dia 15 de agosto, e afinal foram os pais que vieram ter comigo. Estou muito feliz, é difícil explicar esta felicidade, eu não conheci os meus pais, eu tinha na altura quatro anos, eramos muito pequenos.”

Marcelin e Francine foram encontrados ao lado um do outro. Nas roupas havia documentos que permitiram identificá-los e junto aos corpos estavam mochilas, gamelas e uma garrafa de vidro.

Segundo o porta-voz da polícia de Valais, Stéphane Vouardoux, este é um dos casos de uma lista de quase três centenas de desaparecimento registados no cantão: “Na nossa base de dados, que remonta a 1925, figuram cerca de 280 pessoas desaparecidas no cantão de Valais, sobretudo em zonas de montanha, mas também nos lagos”.