Última hora

EUA querem impor embargo económico a Pyongyang

Em leitura:

EUA querem impor embargo económico a Pyongyang

Tamanho do texto Aa Aa

A China voltou ontem a defender o diálogo para acalmar a tensão na Coreia do Norte ao mesmo tempo que realizava exercícios militares na zona da península coreana. A força aérea chinesa simulou uma resposta a um “ataque supresa” vindo do mar, segundo Pequim, sem pensar em nenhum atacante específico.

Um gesto que coincide com as críticas da China à decisão dos EUA de instalar um escudo anti-aéreo na Coreia do Sul em resposta ao sexto e mais potente teste de míssil de Pyongyang.

Donald Trump garantiu, no entanto, uma sintonia entre os dois países:

“Tive uma boa e longa conversa telefónica com o presidente chinês que diz que quer resolver a situação. Vamos ver se vai conseguir fazer algo. Creio que estamos de acordo a 100% pois o presidente Xi também não gosta desta situação”.

Trump preferiu voltar a manter o suspense sobre a possibilidade de uma ação militar:

“vamos ver o que vai acontecer. Vamos ver. Certamente não será a nossa primeira escolha. Mas vamos ver o que vai acontecer”.

Washington continua para já a apostar na pressão diplomática quando pretende votar um novo pacote de sanções contra Pyongyang no dia 11, rejeitado pela China e pela Rússia no Conselho de Segurança da ONU. Segundo a imprensa norte-americana, o projeto de resolução prevê um embargo à importação de petróleo e à exportação de têxteis, visando também impedir as deslocações ao estrangeiro do líder e altos responsáveis do regime comunista.