This content is not available in your region

Confrontos nos protestos contra a reforma laboral de Emmanuel Macron

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Confrontos nos protestos contra a reforma laboral de Emmanuel Macron

<p>Os protestos contra a nova reforma laboral, anunciada pelo presidente francês, Emmanuel Macron, degeneraram, esta terça-feira, em confrontos com as forças da autoridade, em Paris.</p> <p>A polícia tinha anunciado o reforço dos efetivos para evitar episódios de violência semelhantes aos de 2016.</p> <p>As autoridades relataram que um grupo de cerca de três centenas de pessoas encapuzadas provocaram distúrbios, três foram detidas. </p> <p>Alguns feridos foram encaminhados para os hospitais.</p> <p><blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr">Police use watercannons to try to disperse protesters in Paris <a href="https://t.co/Qvhn0MVQsN">https://t.co/Qvhn0MVQsN</a> <a href="https://t.co/o1B3STXZoc">pic.twitter.com/o1B3STXZoc</a></p>— RT (@RT_com) <a href="https://twitter.com/RT_com/status/907621076418658304">September 12, 2017</a></blockquote><br /> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script></p> <p>Milhares de trabalhadores acudiram ao repto lançado pela Confederação Geral do Trabalho e marcharam contra aquilo que dizem ser a destruição da lei do trabalho em França.</p> <p>“Nenhuma reforma que tenha destruído a lei do trabalho, em nenhum país, reverteu a tendência de desemprego. Causa precariedade, cria trabalho temporário, não resolve o problema do desemprego, do emprego estável, um trabalho com o qual uma pessoa possa construir sua vida”, assegura o líder da <span class="caps">CGT</span> Philippe Martinez.</p> <p>De acordo com a <span class="caps">CGT</span>, mais de 60 mil pessoas marcharam nas ruas da capital francesa. </p> <p><blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr">The demo against the new Labour Bill is about to start. Great success !! <a href="https://t.co/NlkpOmtgeK">pic.twitter.com/NlkpOmtgeK</a></p>— <span class="caps">CGT</span> Métal Global (@interFTMCGT) <a href="https://twitter.com/interFTMCGT/status/907619120266584064">September 12, 2017</a></blockquote><br /> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script></p> <p>A autarquia da capital francesa avança que número de manifestantes não foi além dos 24 mil.</p> <p>Por todo o país registaram-se 180 protestos espalhados por Paris, Marselha, Lyon e Nantes.</p>