Última hora

Última hora

Madrid suspende autonomia catalã e convoca eleições para dezembro

Mariano Rajoy anunciou a dissolução do executivo e parlamento catalães após obter a luz verde do Senado à aplicação do artigo 155.

Em leitura:

Madrid suspende autonomia catalã e convoca eleições para dezembro

Tamanho do texto Aa Aa

O primeiro-ministro espanhol anunciou ao início da noite a aplicação do artigo 155 da Constituição, com vista, segundo ele, “a pôr termo ao sequestro inadmissível dos catalães e ao roubo de uma parte do território espanhol”.

Foi ao final de um Conselho de Ministros extraordinário e com a luz verde do Senado à aplicação da suspensão da autonomia catalã que Mariano Rajoy anunciou a dissolução do governo e do parlamento autonómicos e a convocação de eleições regionais para dia 21 de Dezembro.

Entre os anúncios de Rajoy, destinados, segundo ele, a “pôr termo à escalada de ilegalidade” encontra-se ainda o encerramento de todas as representações diplomáticas catalãs no estrangeiro e a exoneração do diretor da polícia autonómica, Per Campins, mas não do chefe dos Mossos d’ Esquadra atualmente acusado de “desobediência” pelo Tribunal da Audiência Nacional.

O anúncio do primeiro-ministro espanhol surge num momento em que o Tribunal Constitucional e o Supremo Tribunal estão agora a analisar queixas contra os membros do governo e do parlamento catalão, assim como um recurso que exige a anulação da declaração de independência de hoje no parlamento catalão.

Esta noite, o executivo catalão continuava reunido no Palácio da “Generalitat” em Barcelona e, segundo algumas fontes, poderia realizar amanhã o primeiro “Conselho Executivo da República”, após proclamar a independência.

Horas antes, o Senado espanhol tinha dado luz verde à atuação do governo, por 214 votos a favor e 47 votos contra, com um texto que transfere para os ministérios de Madrid as competências do governo regional, sem, no entanto, colocar sob a alçada do executivo central os meios de comunicação públicos catalães. Madrid ameaça tomar medidas disciplinares contra todos os funcionários públicos que recusem respeitar as novas medidas. O presidente do Supremo Tribunal espanhol enviou uma carta esta noite aos magistrados catalães, para pedir-lhes que, “reafirmem o seu compromisso com o estado constitucional”.