Última hora

Última hora

Comité Olímpico Internacional contesta decisão do Tribunal Arbitral

Em leitura:

Comité Olímpico Internacional contesta decisão do Tribunal Arbitral

Tamanho do texto Aa Aa

O Comité Olímpico Internacional (COI) pondera apresentar recurso ao Tribunal Federal suíço contra a decisão do Tribunal Arbitral do Desporto (TAS), depois deste ter anulado a suspensão que o organismo olímpico tinha imposto, por uso de doping, a 28 dos 43 atletas russos que competiram nos Jogos Olímpicos de 2014 em Sochi.

O TAS, sediado em Lausana, na Suíça, considerou que as provas existentes eram insuficientes para sancionar por uso de doping estes 28 atletas. Outros 11 atletas russos viram também reduzida a pena: o TAS anulou a suspensão vitalícia que lhes fora aplicada pelo COI, proibindo porém a participação nos Jogos coreanos, uma vez que a prova produzida foi "suficiente para concluir uma violação das regras antidoping".

Para o presidente russo, Vladimir Putin, o Tribunal Arbitral decidiu bem:

"A decisão confima a posição que temos defendido: a grande maioria de nossos atletas estão limpos, não recorreram a doping - mas também temos de respeitar os nossos interlocutores", disse Putin durante uma visita de trabalho à cidade de Rostov-sobre-o-Don.

Moscovo tinha anunciado na quarta-feira a organização de uma competição para os desportistas russos proibidos de participar nos Olímpicos de Inverno.

COI contesta

Considerando que a decisão do Tribunal Arbitral do Desporto pode ser "um golpe na luta contra o doping", o Comité Olímpico Internacional anunciou que vai "analisar os argumentos da decisão e ponderar ações futuras, inclusive um recurso ao Tribunal Federal suíço". Esta posição foi criticada pela secretária-geral da Câmara Alta do parlamento russo, Valentina Matvienko: 

"Eu leio que 'o Comité Olímpico Internacional lamenta a decisão tomada pelo Tribunal Arbitral do Desporto'. É tão óbvio agora que é impossível esconder. 'Lamenta' o quê? O COI põe em causa a decisão do Tribunal Arbitral, que foi criado exatamente para deliberar nesta questão?"

O COI esclarecera que a decisão da instância arbitral de Lausana não significa que estes atletas possam competir em Pyeongchang, pois o Comité Olímpico Russo está suspenso e os atletas russos só podem participar nos próximos Jogos de Inverno se convidados oficialmente pelo Comité Olímpico Internacional.

O organismo olímpico chefiado pelo alemão Thomas Bach proibiu a participação da Rússia nos Jogos PyeongChang 2018, mas deixou aberta a possibilidade de participação dos atletas da Rússia comprovadamente "limpos". Uma comissão independente criada para o efeito, já convidou 169 atletas russos a competir nos Jogos Olímpicos de Inverno com estatuto neutral, sob a bandeira e hino olímpicos e a inscrição “atleta olímpico russo”.