Última hora

Última hora

Grupo francês PSA "rende-se" a Trump e retira-se do Irão

Em leitura:

Grupo francês PSA "rende-se" a Trump e retira-se do Irão

© Copyright :
REUTERS/Benoit Tessier/Arquivo
Tamanho do texto Aa Aa

O grupo automóvel PSA, que integra a Peugeot e a Citroen, vai suspender as lucrativas atividades iniciadas no Irão há dois anos com o objetivo de respeitar a lei americana.

Em comunicado, a empresa liderada pelo português Carlos Tavares lembra os acordos de "joint-venture" celebrados com a iraniana Khodro há exatamente dois anos e com a Saipa um pouco depois para fornecer o mercado persa com veículos modernos da Peugeot e da Citroen.

Um negócio só possível depois do levantamento das sanções internacionais permitido pelo acordo nuclear com o Irão no inicio de dois mil e dezasseis.

No entanto, a recente retirada dos Estados Unidos desse acordo e o reatar das sanções americanas ao Irão, com um prazo até seis de agosto para as empresas com investimentos naquele país se readaptarem, leva agora o grupo PSA a render-se à imposição de Donald Trump e a anunciar a suspensão dos negócios num mercado persa para onde, só ano passado, exportou 444.600 veículos.

O negócio da PSA no Irão está avaliado em mil milhões de euros durante cinco anos e tinha previsto o fabrico já em território persa de 200 mil unidades Peugeot e 150 mil da Citroen até 2021.