This content is not available in your region

SPD quer "renegociar" participação no executivo de Berlim

Access to the comments Comentários
De  Euronews
SPD quer "renegociar" participação no executivo de Berlim
Direitos de autor  REUTERS/Fabrizio Bensch   -  

O Partido Social Democrata (SPD) alemão elegeu para a liderança a dupla Norbert Walter-Borjans e Saskia Esken, dois críticos da coligação com a CDU de Angela Merkel. Os novos líderes não falam, para já, em abandonar a aliança mas querem uma renegociação da participação no executivo. A vitória com 53% dos votos está a ser vista como referendo interno à continuação do partido na coligação governamental.

No primeiro discurso depois da vitória, Saskia Esken pediu a união de todos dos militantes.

"Queremos alcançar todos, queremos estender a mão a todos: os que apoiaram outros candidatos, mesmo na campanha pré-eleitoral. Agora temos de ficar juntos. Só juntos conseguiremos tornar o SPD forte novamente e garantir a credibilidade para um futuro justo".

Segundo os analistas, se os sociais-democratas avançarem com exigências, o cenário mais provável é o fim da coligação e eleições antecipadas.

Paul Ziemiak, secretário-geral da CDU reforça os objetivos da coligação.

"Queremos governar bem a Alemanha. Nós criámos uma estrutura com esse objetivo. E esta decisão interna do SPD não muda nada na base da coligação."

Na última quarta-feira, Angela Merkel defendeu a coligação no poder e assumiu o compromisso de garantir a continuação do governo até ao final do mandato.