This content is not available in your region

Bálticos unidos contra Lukashenko

Access to the comments Comentários
De  Teresa Bizarro  com Agências
Bálticos unidos contra Lukashenko
Direitos de autor  Leonid Shcheglov/BelTA   -  

Letónia e Lituânia estão na primeira linha do conflito que opõe a Bielorrússia à União Europeia. Ao lado, a Estónia solidariza-se com os parceiros do Báltico. Os líderes dos três países estiveram reunidos em Vilnius. Põem a culpa da crise migratória nos ombros de Minsk e consideram que a Bielorrússia deve ser responsabilizada por "tráfico de seres humanos".

Os Estados Bálticos pedem a Bruxelas uma política de asilo mais restritiva e "apoio financeiro para a construção de barreiras físicas" nas linhas de fronteira.

Para o Presidente da Lituânia, "esta questão exige soluções e acções imediatas ao nível europeu e internacional". Gitanas Nauseda sublinha que "a crescente ameaça na fronteira com a Bielorrússia não é apenas o problema da Lituânia ou da Polónia" porque se trata de "proteger as fronteiras externas da União Europeia e da NATO".

Lituânia, Letónia e Estónia garantem ainda estar dispostos a unir-se à Polónia para pedir uma reunião da NATO sobre o conflito.

Esta segunda-feira, mais cerca de 400 migrantes ficaram encurralados entre a Polónia e a Bielorrússia. Dizem ter tido a informação de que a fronteira estava aberta, mas tal não se confirmou.

A União Europeia estima que podem ser 4 mil os migrantes nestas condições, a viver dias de grande precariedade, à medida que as temperaturas descem.

O governo bielorrusso diz que vai garantir o repatriamento destes migrantes, mas a promessa não convence o ocidente.

União Europeia e Estados Unidos têm na mesa um novo pacote de sanções contra o regime de Alexander Lukashenko. Citado pela agência de notícias oficial, o presidente bielorrusso anunciou que se as penalizações aumentarem, o país vai "defender-se".