EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

União Europeia intensifica sanções contra a Bielorrússia

União Europeia intensifica sanções contra a Bielorrússia
Direitos de autor Geert Vanden Wijngaert/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Geert Vanden Wijngaert/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Crise migratória no leste europeu precipitou aumento da pressão europeia sobre Minsk

PUBLICIDADE

Em Bruxelas, os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia (UE) aprovaram, esta segunda-feira, o quinto pacote de sanções contra personalidades e organizações ligadas ao regime do presidente bielorrusso Aleksander Lukashenko.

Companhias aéreas, agências de viagens e outros intermediários no transporte de migrantes até Minsk também estão na mira do bloco comunitário, confrontado com uma crise migratória nas fronteiras externas da UE localizadas na Polónia e Lituânia.

"Conseguiremos atingir os responsáveis pela exploração de migrantes vulneráveis e por facilitar a passagem ilegal de fronteira para a UE", sublinhou o chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell.

Apesar das sanções já em vigor, o presidente bielorrusso não abandonou a ofensiva contra a Europa, pelo contrário.

Recentemente, ameaçou cortar a passagem de gás natural em resposta a sanções futuras.

O analista Yauheni Preiherman disse à Euronews que a União Europeia não tem influência económica suficiente sobre a Bielorrússia.

"Infelizmente, o que temos observado no último ano é que em vez de diplomacia, a UE está apenas a falar sobre sanções. Isso levou a todas estas repercussões negativas. Por isso, penso que o que tem de ser feito é diplomacia adequada. Tem de haver adultos na sala, inclusive do lado da UE", sublinhou o fundador do Conselho de Diálogo de Minsk sobre Relações Internacionais.

Na sede da NATO, em Bruxelas, aguarda-se pelo momento em que a Polónia, ou outro aliado, ative o artigo 4 do Tratado de Washington, que precipitaria consultas de emergência sobre ação militar.

"Cabe a qualquer aliado da NATO invocar o artigo 4. Penso que o importante é que consultemos de perto os aliados da NATO e também trabalhemos em estreita colaboração com a UE", lembrou o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg.

Enquanto isso, nas fronteiras externas do bloco comunitário no leste europeu, milhares de pessoas permanecem bloqueadas expostas ao ao frio.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Uma "luz verde" no caminho escuro dos migrantes

Bálticos unidos contra Lukashenko

Guardia Civil desmantela mega-rede de tráfico de cocaína