This content is not available in your region

ONU: Ocidente exige à Rússia fim dos ataques contra civis na Ucrânia

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, diz que Moscovo não dá sinais de querer terminar a guerra
Secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, diz que Moscovo não dá sinais de querer terminar a guerra   -   Direitos de autor  APAP Photo/Jacquelyn Martin Photo   -  

A Rússia e o Irão são acusados de violar a resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas que proíbe a transferência de material militar.

Os membros do Conselho condenaram, esta sexta-feira, o uso de drones, de fabrico iraniano, em ataques contra civis e infraestruturas críticas na Ucrânia.

Moscovo e Teerão negam que os aparelhos sejam iranianos, mas entre denúncias dos EUA, o Reino Unido, França e Alemanha pediram uma investigação independente e o fim dos ataques.

"Há documentação significativa disponível publicamente, incluindo fotografias e vídeos desses aparelhos a serem usados contra a Ucrânia. A ONU deve investigar quaisquer violações das resoluções do Conselho de Segurança. Não devemos permitir que a Rússia, ou outros, impeçam ou ameacem a ONU de realizar as suas responsabilidades obrigatórias", sublinhou Jeffrey Delaurentis, vice-embaixador dos EUA na ONU.

De acordo com a resolução, todo o comércio com o Irão, que está sujeito a sanções internacionais por causa do programa nuclear, "deve ser aprovado pelo Conselho de Segurança".

O secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, diz que Moscovo não dá sinais de querer terminar a guerra, antes pelo contrário, mas que a via diplomática é prioridade: "vamos reconsiderar e considerar todos os meios para fazer avançar a diplomacia, se virmos uma abertura para fazê-la avançar por qualquer meio. Claro que olharemos sempre para essa via. Mas, como disse, neste momento, a Rússia não mostra sinais de estar disposta a se envolver em diplomacia significativa por qualquer meio."

O secretário de Defesa dos EUA, por outro lado, pediu sexta-feira ao seu homólogo russo que mantenha abertos os "canais de comunicação" sobre a guerra na Ucrânia.

Lloyd Austin esteve à conversa com Sergei Shoigu por telefone.

Mas com a guerra em curso a única certeza é a incerteza.