This content is not available in your region

Rumo a uma nova era industrial

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Rumo a uma nova era industrial

<p>Os desafios económicos parecem multiplicar-se e 2016 adivinha-se como mais um ano de turbulência. Daí que o Fórum de Davos tenha suscitado uma atenção muito particular, sobretudo com o debate da chamada “Quarta Revolução Industrial”, suscetível de provocar <a href="http://pt.euronews.com/2016/01/20/davos-quarta-revolucao-industrial-podera-custar-5-milhes-de-empregos-ate-2020/">o desaparecimento de milhões de empregos</a>. O Cazaquistão, por exemplo, veio mostrar as reformas encetadas para continuar a captar investimentos.</p> <p><em>“Quando o preço do petróleo e das matérias-primas está em baixa, como acontece neste momento, é a altura certa para fazer reformas. E vamos fazê-las em conjunto com o Banco Mundial e outras instituições internacionais. Estamos a trabalhar arduamente nesse sentido e olhamos com expetativa para as etapas seguintes. No Fórum de Davos do próximo ano, vamos poder mostrar os nossos passos rumo ao futuro”</em>, declarou o primeiro-ministro Karim Massimov.</p> <p>Apesar das vastas reservas que possui, o Cazaquistão pretende reduzir significativamente a dependência do petróleo e do gás. As reformas destinam-se a abrir o país a outras possibilidades, como salientou o ministro da Economia, Dossaev Erbolat Askarbetovich: <em>“Isso é essencial para nós: desenvolver o setor privado, a competitividade e apoiar as <span class="caps">PME</span>. São os três grandes objetivos das políticas que estamos a adotar.”</em></p> <p>Em 2014, os líderes cazaques assinaram um <a href="http://www.ebrd.com/news/2014/ebrd-and-kazakhstan-agree-historic-partnership-to-boost-reform-and-investment.html">acordo de parceria</a> com o Banco Europeu para a Reconstrução e Desenvolvimento (<span class="caps">EBRD</span>) que, <a href="http://www.worldbank.org/en/country/kazakhstan/publication/kazakhstan-economic-update-spring-2015">em conjunto com o Banco Mundial</a>, tem apelado à implementação de mudanças estruturais. Segundo Anabel Gonzalez, do Banco Mundial, <em>“é preciso ter visão estratégica. As reformas não são reformas per se, fazem parte de um contexto mais vasto de diversificação da economia, de promoção do crescimento, da criação de emprego. E o Cazaquistão tem essa visão.”</em></p> <p>O governo do Cazaquistão quer estar preparado para a revolução industrial que assenta na fusão de novas tecnologias, e, sobretudo, cativar os jovens para essa missão. O chefe do governo realçou que <em>“o mundo está a chegar a uma nova fase de desenvolvimento. O Cazaquistão ainda não chegou aí. Encontramo-nos no presente, não no futuro. A juventude do Cazaquistão, o sistema educativo, o avanço no setor digital – todos estes elementos têm de se juntar para, em 2016 e 2017, obter as respostas necessárias para encontrar o caminho certo.”</em></p> <p>O país está a organizar a Expo 2017 em Astana para mostrar os avanços alcançados neste percurso de modernização.</p>