Última hora
This content is not available in your region

Tesla entrega número recorde de carros elétricos em 2019

Tesla entrega número recorde de carros elétricos em 2019
Direitos de autor
euronews
Tamanho do texto Aa Aa

A empresa de produção de carros elétricos Tesla entregou um número recorde de viaturas no ano passado. Só no último trimestre de 2019 foram entregues 112 mil carros elétricos.

A empresa criada por Elon Musk lançou recentemente a produção numa fábrica perto de Xangai. Mas o caminho da Tesla está recheado de desafios. O sistema de piloto automático da empresa norte-americana está sob escrutínio depois de três acidentes mortais. Apesar dos desafios, Elon Musk começa a nova década com otimismo. A Tesla festeja a entrega dos primeiros modelos 3 fabricados em Xangai. "Vamos continuar a fazer investimentos importantes na China, onde construiremos os modelos 3. O futuro modelo Y também será fabricado na China", afirmou recentemente Elon Musk, presidente da empresa norte-americana.

euronews
Elon Musk, presidente da Teslaeuronews

Entrega de carros aumenta 50% em relação a 2018

No total, no ano passado, as entregas ultrapassaram as 367 mil viaturas, um aumento de 50% em relação a 2018. Mas a empresa norte-americana enfrenta desafios técnicos depois de três acidentes mortais nos Estados Unidos devido a problemas no sistema de piloto automático das viaturas. Os acidentes ocorreram três meses antes da data anunciada para lançar carros autónomos. Apesar das incertezas, as ações da Tesla valorizaram 91% nos últimos três meses. O valor da empresa no mercado ultrapassa agora os 70 mil milhões de euros.

A tecnologia Blockchain e o mercado imobiliário

A tecnologia Blockchain está a transformar o mundo dos negócios e criar novos modelos de financiamento. A companhia britânica do ramo imobiliário Brikcoin afirma que a sua criptomoeda pode dar resposta à crise da habitação acessível no Reino Unido e tornar a propriedade num ativo mais líquido. A euronews falou com o fundador da empresa James Hare.

"A Brickcoin surgiu após toda uma vida dedicada ao imobiliário. Em plena emergência da tecnologia Blockchain coloquei uma questão muito simples. Será que a tecnologia Blockchain pode ser aplicada ao imobiliário? E a resposta retumbante foi sim. O maior problema económico do Reino Unido é a crise da habitação acessível. Podemos resolvê-la graças à tecnologia Blockchain e criar uma comunidade à volta desse desígnio", disse à euronews James Hare.

euronews
James Hare, fundador da Brikcoineuronews

A crise da habitação acessível no Reino Unido

Para o fundador da Brickcoin, a falta de habitação acessível no Reino Unido é o maior problema do país. "É a nossa crise mais importante no Reino Unido. Há 1,8 pessoas em lista de espera e a lista cresce diariamente. Precisamos de construir mais de três milhões de casas nos próximos vinte anos. Mas, atualmente, estamos apenas a construir um número muito pequeno de casas", disse James Hare.

"A nossa empresa possui os ativos. Somos proprietários de cada projeto imobiliário que desenvolvemos. Entregamos a gestão das casas às autoridades locais por um período de 50 anos em troca de uma renda. Mas, como disse, mantemos a propriedade do edifício. Em segundo lugar apostamos na capacidade de fazer lucro como qualquer empresa do ramo. Em terceiro lugar, as pessoas querem possuir a moeda e o mercado quer negociar e comprar a moeda pelo seu valor futuro porque somos uma empresa que está a crescer rapidamente", sublinhou o presidente da empresa britânica. E acrescentou: "os compradores participam no nosso projeto de desenvolvimento privado. Não se trata de dividir o investimento em unidades de tijolo. É preciso ter em conta a escala do problema que enfrentamos, de modo a podermos ajudar a resolver esta questão fundamental. Há outros projetos de Blockchain a tentar fazê-lo. Basicamente, nós queremos que a nossa comunidade possa beneficiar com tudo o que se passa neste projeto. Não se trata apenas de adquirir um tijolo numa determinada propriedade", explicou o responsável.

A Brickcoin está registada no Reino Unido mas as operações são realizadas a partir do Dubai. "Vivo no Dubai há 22 anos. É a minha casa. Adoro viver aqui, é uma cidade segura com uma natureza gregária", concluiu James Hare.

Start-ups investem no espaço

A chamada economia lunar está a democratizar-se. Há start-ups com ambições interplanetárias. Depois do monopólio dos governos e do setor militar, a exploração espacial representa hoje novas oportunidades para o setor privado. E quem diz ambições interplanetárias, diz aumento dos investimentos no domínio aeroespacial. A start-up britânica SpaceBit está de olhos postos na lua.

"A nossa empresa tem cinco anos. Trabalhámos de modo um pouco invisível durante alguns anos e agora é o momento de revelar os nossos dois projetos fantásticos. Um deles é o Space Moon Rover e o outro é o módulo lunar. Trata-se do primeiro módulo robótico da história capaz de voar e pousar repetidamente em diferentes locais da Lua. Vamos desenvolver o projeto no Reino Unido e vamos realizar testes nos Emirados Árabes Unidos na primavera de 2020. O lançamento do nosso módulo lunar está previsto para 2021", afirmou Pavlo Tanasyuk, fundador e presidente da SpaceBit.

euronews
Pavlo Tanasyuk, fundador da SpaceBiteuronews

Apesar do enorme investimento em Investigação e desenvolvimento, a start-up britânica acredita que projeto é viável do ponto de vista comercial. "Comercialmente, é muito interessante acreditar na economia lunar. Nós acreditamos nela e estamos a construí-la. Acreditamos na extração de recursos minerais na superfície da lua num futuro próximo. Por outro lado, a lua está num sítio muito interessante para se poder ir para outro lugar, por exemplo para Marte. Dentro de alguns anos, esperamos que o nosso veículo lunar possa pousar na lua, seguido pelo nosso módulo lunar. Vamos ser capazes de oferecer oportunidades comerciais a outras empresas para irem à lua connosco. E não apenas empresas, mas também governos. O que nos posicionará como uma empresa líder no setor aeroespacial. Teremos a capacidade de transportar cargas úteis para a Lua. Estamos a planear vender a nossa capacidade de carga. É um projeto de longo prazo. Um quilo da carga útil custará cerca de um milhão de dólares americanos" sublinhou o responsável.

Calcula-se que a chamada economia espacial deverá valer um bilião de dólares em 2030.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.