Última hora

Última hora

Riga: UE reafirma laços com parceiros do leste europeu

Reunidos em Riga, os líderes dos 28 Estados-membros da União Europeia (UE) clarificaram que não se deixarão intimidar por Moscovo, ainda que evitando

Em leitura:

Riga: UE reafirma laços com parceiros do leste europeu

Tamanho do texto Aa Aa

Reunidos em Riga, os líderes dos 28 Estados-membros da União Europeia (UE) clarificaram que não se deixarão intimidar por Moscovo, ainda que evitando focos de tensão, e que manterão a aproximação económica e política às seis antigas repúblicas soviéticas da Parceria Oriental (Arménia, Azerbaijão, Bielorrússia, Geórgia, República da Moldávia e Ucrânia).

Ao mesmo tempo reforçaram que esta relação de proximidade não é sinónimo de um atalho para a adesão à UE.

“A UE é um parceiro de longo prazo. A nossa parceria, bem como a própria cimeira de Riga, não consiste em tomar decisões dramáticas ou dar passos de gigante. A nossa relação baseia-se na livre vontade, no respeito e na igualdade. A nossa relação avançará passo a passo”, disse o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk.

A Ucrânia, a Geórgia e a República da Moldávia têm feito progressos significativos rumo à integração europeia. A Arménia e a Bielorrússia integram a União Económica Eurasitática, liderada por Moscovo.

“No quadro da Parceria Oriental cada país tem oportunidades e possibilidades. Esta é a diferença da Rússia, porque na esfera de influência russa todos os países devem seguir os princípios ditados por um centro”, explicou o presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko.

A IV cimeira da Parceria Oriental terminou esta sexta-feira na capital da Letónia, Riga.

Natalia Richardson-Vikulina, euronews – “Os seis países da Parceria Oriental estão claramente divididos em duas fações: Ucrânia, Geórgia e República da Moldávia querem juntar-se à UE enquanto a Arménia, Azerbaijão e Bielorrússia não têm aspirações europeias. Naturalmente existem diferenças significativas entre os países da Parceria Oriental. Os observadores dizem que a UE deveria mudar o formato das relações com os vizinhos do leste.”