Riga: UE reafirma laços com parceiros do leste europeu

Riga: UE reafirma laços com parceiros do leste europeu
Direitos de autor 
De  Pedro Sacadura com Natalia Richardson-Vikulina
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Reunidos em Riga, os líderes dos 28 Estados-membros da União Europeia (UE) clarificaram que não se deixarão intimidar por Moscovo, ainda que evitando

PUBLICIDADE

Reunidos em Riga, os líderes dos 28 Estados-membros da União Europeia (UE) clarificaram que não se deixarão intimidar por Moscovo, ainda que evitando focos de tensão, e que manterão a aproximação económica e política às seis antigas repúblicas soviéticas da Parceria Oriental (Arménia, Azerbaijão, Bielorrússia, Geórgia, República da Moldávia e Ucrânia).

Ao mesmo tempo reforçaram que esta relação de proximidade não é sinónimo de um atalho para a adesão à UE.

“A UE é um parceiro de longo prazo. A nossa parceria, bem como a própria cimeira de Riga, não consiste em tomar decisões dramáticas ou dar passos de gigante. A nossa relação baseia-se na livre vontade, no respeito e na igualdade. A nossa relação avançará passo a passo”, disse o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk.

A Ucrânia, a Geórgia e a República da Moldávia têm feito progressos significativos rumo à integração europeia. A Arménia e a Bielorrússia integram a União Económica Eurasitática, liderada por Moscovo.

“No quadro da Parceria Oriental cada país tem oportunidades e possibilidades. Esta é a diferença da Rússia, porque na esfera de influência russa todos os países devem seguir os princípios ditados por um centro”, explicou o presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko.

A IV cimeira da Parceria Oriental terminou esta sexta-feira na capital da Letónia, Riga.

Natalia Richardson-Vikulina, euronews – “Os seis países da Parceria Oriental estão claramente divididos em duas fações: Ucrânia, Geórgia e República da Moldávia querem juntar-se à UE enquanto a Arménia, Azerbaijão e Bielorrússia não têm aspirações europeias. Naturalmente existem diferenças significativas entre os países da Parceria Oriental. Os observadores dizem que a UE deveria mudar o formato das relações com os vizinhos do leste.”

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Política da UE. Parlamento Europeu terá novas regras mas há poucas mudanças para as mulheres

Líderes da UE sob pressão de Zelenskyy para reforçar as defesas aéreas da Ucrânia

Debate sobre o futuro do Pacto Ecológico reacende profundas divisões