Última hora

Última hora

Rumo a uma justiça amiga das crianças

Anualmente, centenas de milhares de crianças são envolvidas em processos legais nos países da União Europeia. Estarão os sistemas judiciais dos

Em leitura:

Rumo a uma justiça amiga das crianças

Tamanho do texto Aa Aa

Anualmente, centenas de milhares de crianças são envolvidas em processos legais nos países da União Europeia. Estarão os sistemas judiciais dos Estados-membros preparados para lidar com as necessidades específicas das crianças? Kate, London

Point of view

As crianças têm o direito a ser escutadas

Astrid Podsiadlowski responde:

Na verdade não estão. É por isso que entrevistámos crianças e profissionais. Perguntámos a juízes, advogados, procuradores, assistentes sociais e psicólogos que trabalham com crianças que são testemunhas, vítimas ou parte dos processos. O que todos nos dizem é que as práticas variam bastante de país para país, mas também no interior dos Estados-membros.

As crianças que entrevistámos deixaram bem claro que pretendem ser escutadas e que querem dar a sua opinião. Temos de encontrar as melhores condições para que elas o possam fazer.

Além disso, há o direito à informação: as crianças precisam de conhecer os seus direitos, precisam de compreender os processos, precisam que lhes expliquem quem fala com elas e porquê.

Finalmente, não nos podemos esquecer que as crianças têm o direito a ser protegidas. Demasiadas crianças dizem-nos, por exemplo, que se cruzaram com o réu na sala de audiências ou mesmo na sala de espera do tribunal, que é bastante intimidatório.

Penso que podemos ser ativos a vários níveis. No plano internacional temos as linhas diretrizes do Conselho da Europa, relativamente a uma justiça amiga das crianças. Estes são parâmetros internacionais que deveriam ser implementados.

A União Europeia tem diretivas que incluem as crianças e a forma como deveriam ser tratadas. É o caso das diretivas sobre as vítimas, sobre o Abuso Sexual ou sobre o Tráfico Humano. E há ainda um esboço de diretiva relativamente às crianças suspeitas ou acusadas de um crime.

Isto é a nível europeu, mas os estados-membros têm igualmente uma grande responsabilidade.

Se quiser colocar-nos uma pergunta, clique no link abaixo