Última hora

Última hora

Grécia e credores internacionais "desalinhados" sobre reforma nas pensões

Os cortes nas pensões foram um dos elementos chave no falhanço das negociações entre uma delegação do Governo grego e os credores internacionais, no

Em leitura:

Grécia e credores internacionais "desalinhados" sobre reforma nas pensões

Tamanho do texto Aa Aa

Os cortes nas pensões foram um dos elementos chave no falhanço das negociações entre uma delegação do Governo grego e os credores internacionais, no fim de semana, em Bruxelas.

O executivo helénico diz “não” a um corte equivalente a 1% do PIB nas pensões. A Comissão Europeia especificou que isto não tem de se traduzir num corte de pensões individuais.

“É uma grande deturpação dos factos dizer que as instituições estão a pedir ou pediram cortes em pensões individuais. É verdade que o sistema de pensões é uma das partes mais pesadas da despesa, também é um dos mais caros da Europa. Por isso, uma reforma no sistema de pensões faz parte dos requisitos”, clarificou a porta-voz da Comissão Europeia, Annika Breidthardt.

O Governo de Atenas tem de pagar 1,6 milhões de euros aos credores a 30 de junho e à falta de um consenso que permita desbloquear mais de sete mil milhões de euros pode entrar em incumprimento.

O presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, disse não poder prever as consequências de tal cenário: “Estaríamos a entrar em águas desconhecidas, nas quais podemos afirmar com certeza dispor de todas as ferramentas para gerir a situação da melhor forma possível. Numa altura em que todos os participantes precisam de ir mais longe, a bola está claramente do lado do governo grego para dar os passos necessários.”

O Governo grego diz esperar um convite das instituições para retomar as negociações. A Comissão Europeia, por outro lado, espera flexibilidade de Atenas.

Efi Koutsokosta, euronews – “A Comissão Europeia diz estar preparada uma nova ronda de conversações se a Grécia apresentar uma nova proposta. No entanto, fontes europeias referem alguma margem de manobra com a substituição de medidas em relação às pensões, com cortes na despesa ao nível da defesa porque, de acordo com a NATO, a Grécia ocupa o segundo lugar com gastos no setor.”