This content is not available in your region

Colômbia: FARC anunciam o fim da guerra

Access to the comments Comentários
De  Miguel Roque Dias  com EFE, AFP
Colômbia: FARC anunciam o fim da guerra

<p>Acabou a guerra na Colômbia. </p> <p>O anúncio foi feito pelo líder das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (<span class="caps">FARC</span>).</p> <p>Rodrigo Londoño, conhecido por “Timochenko”, decretou um cessar-fogo definitivo a partir das 00:00 de segunda-feira (06:00 em Lisboa), depois do histórico acordo de paz assinado na semana passada com o governo colombiano. </p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="es" dir="ltr">El líder máximo de las <span class="caps">FARC</span>, Rodrigo Londoño, alias “Timochenko”, declaró este domingo el alto el fuego… <a href="https://t.co/NdoscKUJNS">https://t.co/NdoscKUJNS</a></p>— Williams Martinez G. (@williamsx54) <a href="https://twitter.com/williamsx54/status/770041138753507330">August 28, 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>“Hoje, mais do que nunca, lamentamos tantas mortes e a dor causada pela guerra. Hoje, mais do que nunca, queremos abraçar os nossos compatriotas e começar a trabalhar, unidos, por uma nova Colômbia. A guerra acabou”, anunciou o líder das <span class="caps">FARC</span>.</p> <p>Na quinta-feira, o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, anunciou um cessar-fogo definitivo para a mesma hora.</p> <p>É o fim de mais de meio século de conflito.</p> <p>Os acordos de paz assinados em Havana, Cuba, são o culminar de quase quatro anos de negociações. Serão assinados oficialmente pelas duas fações em finais de setembro, sendo depois submetidos ao escrutínio dos colombianos num referendo, a 02 de outubro.</p> <p>Os mais de 7500 mil guerrilheiros das <span class="caps">FARC</span> deverão entregar as armas, ainda em setembro, uma operação que decorrerá sob a supervisão das Nações Unidas.</p> <p>O conflito, na Colômbia fez mais de 260 mil mortos, 45 mil desaparecidos e 6,8 milhões de deslocados.</p>