Última hora

Em leitura:

Bruxelas lança procedimento contra a Polónia


Polónia

Bruxelas lança procedimento contra a Polónia

A Comissão Europeia abriu um procedimento contra a Polónia depois da aprovação de um conjunto de reformas judiciais que poderia, segundo Bruxelas, atentar contra a independência dos tribunais do país.

“A Comissão Europeia lançou um procedimento por infração contra a Polónia, através de uma carte formal de notificação, depois da publicação, no Boletim Oficial Polaco, a Lei relativa à organização das jurisdições de direito comum na sexta-feira, dia 28 de julho”, indicou Bruxelas, em comunicado.




Varsóvia tem, a partir de agora, um mês para responder à carta enviada pela Comissão e, caso não o faça de forma considerada satisfatória pela UE, poderá a ser objeto de um processo no Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE).

A reação do Executivo polaco não se fez esperar. O vice-ministro dos Negócios Estrangeiros (Relações Exteriores), Konrad Szymanski, classificou a decisão da CE como “sem fundamento”, porque, na nova lei, todas as garantias procedimentais e os meios disponíveis para os cidadãos serão aplicadas.




Para Bruxelas, a nova lei incorpora medidas que a CE considera discriminatórias, com idades diferentes de acesso à reforma para homens e mulheres. Por outro lado, a reforma permite ao ministério polaco da Justiça extender o mandato de juízes que tenham atingido a idade da reforma, se assim o desejar.

O processo, que se encontra ainda na fase inicial, poderia levar a Polónia a perder o direito de voto no Conselho da União, caso seja acionado o Artigo sete do Tratado de Lisboa.

Presidente veta duas das três leis da reforma da Justiça

O presidente da República, Andrzej Duda, vetou duas das três polémias leis do Governo da primeira-ministra Beata Sidlo, do partido Lei e Justiça, formação de direita nacionalista e eurocética.

Entretanto, o vice-presidente da CE, Frans Timmermans, voltou a convidar os ministros polacos dos Negócios Estrangeiros (Relações Exteriores), Witold Waszczykowski, e da Justiça, Zbigniew Ziobro para virem a Bruxelas, para dar início ao que definiu como “um diálogo construtivo”, sem obter qualquer resposta.




Em 2016, a reforma da Justiça Constitucional, levada a cabo por Varsóvia, motivou a abertura, da parte de Bruxelas, de outro procedimento para “avaliar o Estado de Direito” polaco, procedimento que se encontra ainda em curso.

As reformas do Governo Sidlo têm merecido os protestos da oposição e de movimentos cívicos nas ruas. As manifestações nas principais cidades polacas foram das mais importantes dos últimos tempos.