This content is not available in your region

Catalunha rejeita que Madrid coordene Mossos D'Esquadra

Access to the comments Comentários
De  Miguel Roque Dias  com REUTERS
Catalunha rejeita que Madrid coordene Mossos D'Esquadra

<p>É o intensificar da crise política entre o Governo de Madrid e o Governo regional da Catalunha.</p> <p>O conselheiro do Interior catalão, Joaquin Forn, rejeitou a decisão do Ministério espanhol do Interior de assumir, temporariamente, a coordenação das forças de segurança na região autónoma da Catalunha</p> <p>Num discurso na televisão regional, Forn assegurou que “o chefe dos Mossos d’Esquadra indicou que não aceitará a coordenação do representante do Estado espanhol.” Portanto, querem “transmitir muita calma aos cidadãos porque o líder da polícia catalã não vai ceder as suas funções”</p> <p><blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="und" dir="ltr">Demanem molta tranquilitat, perquè els Mossos no renunciaran a exercir les seves competències en lleialtat al poble de Catalunya.</p>— Joaquim Forn (@quimforn) <a href="https://twitter.com/quimforn/status/911577093376548864">September 23, 2017</a></blockquote><br /> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script></p> <p>O Executivo de Mariano Rajoy assegura que não retira competências aos Mossos d’Esquadra , símbolo da autonomia catalã. </p> <p>O Governo espanhol vai coordenar as ações para impedir o referendo de autodeterminação marcado para 1 de outubro.</p> <p>Rajoy afirmou que “o mais democrático a fazer é parar. Colocar fim a esta situação, acabar com o assédio aos autarcas e conselheiros, terminar as manifestações perante os tribunais para intimidar os juízes.”</p> <p>O Ministério espanhol das Finanças tomou, também, o controlo do congénere regional de modo a garantir que os dinheiros públicos não serão utilizados na logística do escrutínio, proibido pelo tribunal.</p> <p>Entre três mil e quatro mil agentes da Guardia Civil, provenientes de outras regiões do país, já chegaram ou estão a chegar à Catalunha. </p> <p><em>Com: Reuters</em></p>