Última hora

Última hora

Tensão belgo-espanhola aumenta devido à crise catalã

A liberdade condicional aplicada a Carles Puigdemont e a quatro conselheiros do ex-governo regional da Catalunha, pela justiça belga, ameaça causar ainda mais dano na já tensa relação entre este país e Espanha.

Em leitura:

Tensão belgo-espanhola aumenta devido à crise catalã

Tamanho do texto Aa Aa

A liberdade condicional aplicada a Carles Puigdemont e a quatro conselheiros do ex-governo regional da Catalunha, pela justiça belga, ameaça causar ainda mais dano à já tensa relação entre este país e Espanha.

Durante o fim de semana, Jan Jambon, vice-primeiro ministro da Bélgica, que é um nacionalista flamengo, criticou o governo central de Madrid pela gestão da crise na Catalunha.

Em resposta, Esteban González Pons, eurodeputado espanhol de centro-direita, disse que Jan Jambon “pertence a um partido colaboracionista da ocupação alemã durante a Segunda Guerra Mundial. É um partido xenófobo, muito complicado. Não é um parceiro recomendável para ninguém”.


Em causa está a decisão da justiça espanhola de deter vários políticos catalães do movimento pró-independência.

Mark Demesmaeker, eurodeputado do partido nacionalista belga N-VA, realçou à euronews a independência do sistema belga, dizendo que “esta é uma questão sobre a qual cabe a um juiz decidir, não é algo em que os partidos políticos possam intervir”.

“Temos um sistema judicial independente, ao contrário do sistema espanhol que está extremamente politizado”, acrescentou.

O ex-primeiro-ministro socialista da Bélgica, Elio di Ruppo, também se mostrou crítico do governo de Espanha, escrevendo, no Twitter, que “Puigdemont abusou da sua posição, mas Rajoy comportou-se como um franquista autoritário. Vamos trabalhar no sentido de uma Espanha mais federalista”.

O governo espanhol manifestou, segunda-feira, o seu “máximo respeito” pela decisão do juiz belga.