Última hora

Última hora

Síria sem solução à vista

Em leitura:

Síria sem solução à vista

Tamanho do texto Aa Aa

A União Europeia está alinhada com o Reino Unido, a França e os Estados Unidos na condenação do ataque com armas químicas apelando ainda ao seguimento do processo definido pela ONU.

Point of view

"É tempo de após sete anos de um conflito atroz, de falar de política e de uma solução"

Marc Pierini Académico e antigo diplomata, Carnegie Europe

Este o teor do encontro do Conselho de Negócios Estrangeiros da UE que se reuniu esta segunda-feira no Luxemburgo.

"Os ministros dos Negócios Estrangeiros classificaram o alegado ataque com armas químicas na Síria como "chocante" apelando à realização de uma investigação independente. Federica Mogherini, a chefe da diplomacia europeia apelou ao relançamento do processo de paz da ONU. Este um dos tópicos a discutir estar terça-feira no parlamento europeu em Estrasburgo" afirma a repórter da euronews Isabel Marques da Silva que acompanhou o encontro.

A chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, não escondeu o desapontamento ao afirmar que a solução para este conflito que dura há sete anos parece ainda muito longe.

"A única forma de colocar um ponto final no sofrimento e na morte de tantos sírios e, já agora, a única forma de evitar o escalar da crise síria para um conflito regional ou mesmo global, é pressionar todas as partes e, em particular, o regime sírio a vir a Genebra com intenções sérias para negociar", disse após o encontro de chefes da diplomacia europeia.

O alegado ataque químico na Síria e a resposta do Ocidente poderão não ser suficientes para colocar um ponto final no conflito mas pode ser o sinal para regressar à mesa das negociações como afirma este académico e antigo diplomata.

"A Rússia foi prevenida a fim de salvaguardar o seu pessoal e equipamentos. Por isso, esses ataques, que não são de todo uma agressão contra a Rússia e nem mesmo contra o regime de Assad, servem para dar o sinal que é tempo de após sete anos de um conflito atroz, de falar de política e de uma solução para o conflito", adianta Marc Pierini do "think tank" Carnegie Europe.

Para a semana, representantes da diplomacia dos países árabes e representantes da oposição síria discutem em Bruxelas formas de terminar com este conflito.