This content is not available in your region

"Europe Weekly": Evasão fiscal e ajuda ao desenvolvimento em destaque

Access to the comments Comentários
De  Euronews
"Europe Weekly": Evasão fiscal e ajuda ao desenvolvimento em destaque

<p>A atualidade europeia desta semana ficou marcada pela cimeira da UE dedicada ao combate à evasão fiscal. Bastou uma tarde para os chefes de Estado e de governo da UE decidirem que é uma tarefa que implicará ainda muita negociação. A cimeira em Bruxelas serviu para dois estados-membros reafirmarem as condições para a futura quebra do sigilo bancário.</p> <p>A difícil relação do chamado eixo franco-alemão continua a fazer manchetes, face às distintas visões que François Hollande e Angela Merkel têm da crise e do futuro da Europa. </p> <p>Estes são alguns dos temas em destaque nesta edição do “Europe Weekly” que também faz uma antevisão sobre o debate em torno dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio, criados pelas Nações Unidas, e que expiram em 2015. </p> <p>A UE diz-se empenhada no processo para estabelecer as prioridades e o financiamento para as décadas que se seguem e vai debater o tema na próxima terça-feira, segundo dia do Conselho Europeu dos Negócios Estrangeiros. </p> <p>Mas as organizações não governamentais também querem contribuir, pelo que a federação europeia, <span class="caps">CONCORD</span>, publicou este mês o relatório “Colocar as pessoas e o planeta em primeiro lugar”. <br /> A correspondente da euronews em Bruxelas, Isabel Marques da Silva, falou com uma das autoras, Tanya Cox, membro da Beyond 2015 European Task Force.</p> <p>Questionada sobre se os conflitos e a migração económica não devem ser fatores novos de ponderação na futura estratégia, a analista disse que estes são “o resultado de injustiças e de desigualdades no mundo. Logo, se olharmos para as origens dos problemas e realmente as encararmos – e esse é o desafio para as sociedades e os governos daqui para frente -, penso que os conflitos vão diminuir, a insegurança vai diminuir, a migração forçada vai ser menor”.</p>