This content is not available in your region

Em Kiev, Charles Michel diz que crimes de guerra russos serão punidos

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Presidente do Conselho Europeu viajou para a Ucrânia de forma discreta, de comboio, durante a noite
Presidente do Conselho Europeu viajou para a Ucrânia de forma discreta, de comboio, durante a noite   -   Direitos de autor  Efrem Lukatsky/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.

Charles Michel esteve, esta quarta-feira, na Ucrânia e deixou uma mensagem clara. A par das manifestações de apoio ao país, o presidente do Conselho Europeu disse que tem de se fazer justiça contra atrocidades cometidas por forças russas no país e assegurou que os crimes de guerra serão punidos.

Testemunhou a agressão com os próprios olhos ao deslocar-se a Borodianka. A pequena cidade, localizada nos arredores de Kiev, foi libertada no início de abril.

"Cometeram-se atrocidades, crimes de guerra. Têm de ser punidos e serão punidos. Eles [Rússia] têm de pagar pelo que fizeram", sublinhou Michel.

"Estamos determinadas em fazer todos os possíveis para apoiar a Ucrânia porque queremos a vitória final do país", acrescentou.

O presidente do Conselho Europeu esteve reunido com o presidente da Ucrânia. Também discutiu com Volodymyr Zelenskyy temas como a ajuda humanitária e militar à Ucrânia ou a adesão do país à União Europeia.

Também esta quarta-feira, oporta-voz do Kremlin disse que a Rússia apresentou a Kiev uma proposta de acordo. Dmitry Peskov sublinhou que o documento detalha as condições no âmbito das negociações de paz eque a bola está, agora, no campo da Ucrânia.

Kiev nega, no entanto, o acesso a tal documento.

"Eles dizem que a bola está no nosso campo. Costumava jogar futebol em tempos de paz. Quais são as regras? Há duas equipas a participar e é preciso uma bola. Parece-me que [VladimirPutin está a jogar futebol com ele próprio", disse Volodymyr Zelenskyy.

Entretanto, o presidente russo anunciou que vai atualizar a estratégia do país na Organização Mundial do Comércio (OMC).

Vladimir Putin alega que as restrições às empresas russas por parte de países ocidentais contrariam as regras da OMC.