This content is not available in your region

UE defende-se de acusações por causa de embargo a petróleo russo

Access to the comments Comentários
De  Jorge Liboreiro
Chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell defendeu bloco comunitário de acusações
Chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell defendeu bloco comunitário de acusações   -   Direitos de autor  European Union, 2022.   -  

A União Europeia reagiu às acusações de que o embargo às importações de petróleo russo está a provocar um aumento dos preços globais e a gerar turbulência do volátil mercado energético.

"Isso é completamente falso", disse Josep Borrell, o chefe da diplomacia europeia.

"O preço do petróleo começou a aumentar um mês antes da guerra. (...) Atingiu o pico desde o início da guerra. E desde que adotámos as sanções, e que proibimos as importações de petróleo da Rússia, o preço diminuiu", acrescentou.

Apesar da avaliação de Borrell ser factualmente verdadeira – o preço de referência do barril de Brent caiu para cerca de 106 dólares em comparação com o pico de 123 dólares no início de março –, ao mesmo tempo traça um quadro incompleto.

O embargo ao petróleo russo acordado pelos Estados-membros no final de maio foi concebido como uma medida gradual e estruturada: as importações marítimas de petróleo russo, bruto e refinado, serão eliminadas até o final do ano.

A Hungria e outros países sem litoral garantiram uma isenção indefinida para as importações distribuídas através por oleodutos.

As sanções também incluíram a proibição de financiar e segurar o transporte de petróleo russo para países não pertencentes à UE, um setor no qual o bloco tem um domínio confortável. A obtenção de um seguro de alta qualidade para cobrir possíveis responsabilidades é essencial para os navios-tanque que transportam petróleo em todo o mundo.

Globalmente, a UE comprometeu-se a eliminar mais de 90% das suas importações de petróleo da Rússia.

Os números pré-guerra indicam que o bloco comprava diariamente cerca de 2,2 milhões de barris de petróleo bruto, juntamente com 1,2 milhões de barris de produtos refinados, da Rússia.

Uma vez concluída, a proibição pode retirar até 3 milhões de barris de petróleo dos mercados internacionais. Isso levaria a um reajuste substancial do equilíbrio de oferta e procura e poderia aumentar drasticamente os preços se a Rússia não conseguir encontrar novos clientes para todos os barris.

A China e a Índia já estão a aumentar as compras de petróleo russo, que o Kremlin está a oferecer com um atraente desconto de 30 dólares, para frustração dos aliados ocidentais.

Com o intuito de evitar mais perturbações no mercado, os EUA estão a liderar a causa para introduzir um teto no preço do petróleo russo. A ideia nasceu da última reunião do G7, mas Washington quer ter todo o G20 a bordo para garantir uma maioria mais forte.

O plano traduzir-se-ia num grupo de países a agir como cartel e a impor um limite ao preço que estão dispostos a pagar pelo petróleo russo, provavelmente entre os 40 e cerca de 60 dólares por barril.

As empresas e entidades que concordem em respeitar o limite poderão ser isentas da proibição do seguro, podendo transportar e comercializar petróleo russo. Por outro lado, aqueles que tentassem comprar barris acima do limite acordado veriam negada a prestação de serviços de transporte marítimo, bancários e de seguros.

Os EUA acreditam que o teto reduziria automaticamente as crescentes receitas de energia da Rússia, ao mesmo tempo que garantiria preços estáveis ​​da gasolina, uma prioridade fundamental para o presidente Joe Biden antes das cruciais eleições intercalares.

Mas vários especialistas e grupos de reflexão levantaram sérias preocupações sobre a viabilidade e utilidade do plano, alertando que pode ser contraproducente e desencadear um aumento ainda maior dos preços.

Veja o vídeo acima para saber mais sobre a disrupção nos mercados de petróleo.