This content is not available in your region

Indústria do vidro contra proposta de corte no consumo do gás na UE

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Indústria do vidro está altamente dependente do gás natural para a produção
Indústria do vidro está altamente dependente do gás natural para a produção   -   Direitos de autor  Petr David Josek/AP   -  

Sem gás não há vidro. O alerta é dos produtores europeus de vidro que estão preocupados com a proposta de Bruxelas, apresentada na semana passada, para reduzir em 15% o consumo de gás natural até março do ano que vem para fazer frente à ameaça persistente de cortes no abastecimento da Rússia e a um cenário de escassez no inverno.

A indústria do vidro emprega milhares de pessoas na Europa e perante um cenário de redução de gás teme um impacto sobre produção, com danos colaterais sobre outras indústrias como a alimentar, farmacêutica, automóvel e da construção.

"Não devemos parar a indústria, em particular esta indústria, para evitar que as interrupções no gás provoquem danos duradouros nas instalações industriais. Basicamente está-se a matar a indústria do vidro. Precisamos evitar isso. Precisamos que a indústria continue a fornecer à indústria alimentar e das bebidas. Também precisamos dos produtos de vidro para economizar energia nos edifícios, para criar mais energia renovável, em energia fotovoltaica ou eólica", referiu, em entrevista à Euronews, Bertrand Cazes, secretário-geral da associação "Glass for Europe."

De painéis solares a smartphones, o setor argumenta que o vidro é preciso para quase tudo.

A razão para a dependência do gás natural tem a ver com a quantidade de calor necessária para a fabricação do vidro, acrescentou Bertrand Cazes: "é um dos processos com temperaturas mais altas que existe e, claro, para atingir essas temperaturas é precisa de energia para aquecer os fornos e hoje em dia isso faz-se principalmente com gás natural, para evitar o C02.

A indústria química, ainda mais dependente do gás do que a indústria do vidro, também apontou baterias à proposta de Bruxelas, dizendo que é preciso mais orientação.

A indústria farmacêutica alertou para o problema racionamento energético e o respetivo impacto.

Vários Estados-membros como a Grécia, Chipre, Malta, Portugal, Espanha ou Polónia estão contra a proposta.

Será discutida, esta terça-feira, pelos ministros da Energia da União Europeia, em Bruxelas.