This content is not available in your region

Empresário, milionário, estrela de TV e rei do Spotify: Conheça Stephen Bartlett

Access to the comments Comentários
De  Jane Witherspoon
euronews_icons_loading
Empresário, milionário, estrela de TV e rei do Spotify: Conheça Stephen Bartlett
Direitos de autor  euronews   -   Credit: Dubai

Nesta edição de Entrevista, juntamo-nos ao "dragão" mais jovem de sempre da série Dragon's Den da BBC, fundador da agência de marketing de redes sociais 'Social Chain', e a pessoa que tem o podcast número um da Europa no Spotify, Stephen Bartlett

Jane Witherspoon, Euronews: Obrigado por se juntar a nós. Tem uma história extraordinária, desde ter começado no seu quarto até se ter tornado um dos empresários mais bem-sucedidos do mundo. Conte-nos a sua história.

**Stephen Bartlett: **Em primeiro lugar, obrigado por me receberem aqui. Sim, a minha história é tortuosa. Fui à escola em Devon, no Reino Unido, na zona rural. Nasci em África. Não me enquadrava de todo no sistema escolar e acabei por ser expulso, apesar de mostrar uma verdadeira paixão pelos negócios e gerir empresas bem-sucedidas com 16 e 17 anos de idade. Fui para a universidade e parecia a escola. Estava à espera de sentir outra coisa, por isso desisti, desisti da universidade depois de apenas uma aula. Fui tentar descobrir como começar um negócio e prosseguir esta ideia que tinha. Entretanto, tive um conflito os meus pais, porque não estava a seguir o caminho convencional dos meus irmãos e irmãs ao ir para a universidade. Passei por alguns momentos difíceis neste percurso. 

Mas tive a sorte de entrar muito cedo no jogo das redes sociais, numa altura em que as pessoas não as valorizavam, o que é difícil de imaginar agora. Numa altura em que as marcas não tinham ainda a sua própria página nas redes sociais. Estávamos a surfar essa onda quando ela chegou à costa. Por isso, isso foi o catalisador do meu sucesso na minha empresa 'Social Chain'.

Por definição, a palavra "empreendedor" significa alguém que está preparado para correr riscos. Acha que o facto de estar preparado para o fazer desde o início está a contribuir para o seu sucesso?

Isso é interessante. Acho que arrisco demasiado. Para compreender qual é o risco, é preciso compreender primeiro qual é o objetivo, certo? Para mim, o objetivo da minha vida é ser feliz. Portanto, se o objetivo da minha vida é ser feliz, então o risco é qualquer coisa que comprometa isso.

Como sentar-me num curso universitário durante quatro anos, fazendo algo que não me levasse aonde eu queria estar. Portanto, o risco teria sido ficar. Isso teria sido arriscar a estrela polar da minha vida. O risco teria sido ficar na universidade durante quatro anos, entrando num emprego sem saída de que eu não gostava e vivendo a vida de outra pessoa. Esse era o risco.

O objetivo da minha vida é ser feliz e o risco é tudo o que possa comprometer isso.
Stephen Bartlett
Empresário

Em termos de criação de conteúdo, quão difícil é permanecer fiel a si próprio enquanto cria algo que apela a todos os outros?

Na verdade, tenho tendência a acreditar que o conteúdo mais convincente que posso criar é o mais autêntico para mim. O custo de ser autêntico é elevado. É o custo de vos contar todos os esqueletos no meu armário, toda a negatividade, todos os tempos difíceis, o custo de vos contar o que provavelmente me faria parecer vulnerável e fraco. Não é verdade?

O que provavelmente esperam ouvir de um empresário é: "Oh sou tão, sou tão corajoso e planeei tudo" e todas essas coisas. Na verdade, isso não é convincente porque já ouviram isso um milhão de vezes. A autenticidade é, na verdade, bastante rara. Portanto, se eu disser que estava ridiculamente só, o meu parceiro de negócios tornou-se alcoólico e suicida, a minha mãe deixou de falar comigo e eu tive todos estes enormes desafios que superei, isso não significa que me arrisque demasiado. Sinto-me fresco, porque o que as pessoas mais procuram é a verdade.

Foi muito honesto acerca do seu passado e da sua história. Foi capaz de reparar as relações, à medida que encontrou sucesso e felicidade dentro de si e da sua carreira?

Com a minha família em particular, sim, porque o que acabei por perceber é que tanto eu como eles queríamos a mesma coisa. Tínhamos apenas um desacordo sobre o caminho a seguir. A minha mãe queria que eu fosse feliz, seguro e bem-sucedido e pensava que o caminho para lá chegar era a universidade. Eu pensava que estava a perseguir-me a mim e aos meus sonhos. Quando cheguei ao que queria, percebi que ambos podíamos ser felizes e não vou fazer com que ela se arrependa. Ela amava-me. Foi por isso que ela se atravessou no meu caminho. Assim fica tudo bem.

Quais são os benefícios das redes sociais e do marketing de influencers?

Há um velho ditado que diz "as pessoas compram às pessoas". Um dos princípios da psicologia, no que diz respeito a influenciar as pessoas a fazer qualquer coisa é o que chamamos de prova social. Se alguém o faz, e especialmente se for uma figura de autoridade, há uma grande probabilidade de que você desempenhe esse comportamento.

Um exemplo é: Se estiver a andar na rua e houver 20 pessoas a olhar para um edifício, vai olhar para ele. A forma como decide se vai ver um filme na Netflix ou o que quer que seja, é baseada na reputação. Usamos a opinião da tribo para nos ajudar a sobreviver porque nem sempre temos tempo para tomar as decisões por nós próprios. O marketing de influencers é muito apelativo aos mesmos princípios dentro da nossa cablagem humana. Se alguém tem um milhão de seguidores para o marketing, por ser alguém que conhece o marketing, os estudos mostram que é muito mais provável que acredite neles porque vem com um milhão de pessoas que confirmam que as coisas que dizem são corretas.

Se forem uma figura de autoridade na matéria. Se for Lionel Messi, pode vender-lhe botas de futebol. Se for um médico, serão comprimidos, saúde, qualquer coisa relacionada com a saúde. Autoridade e prova social são dois pilares que influenciam as pessoas. O marketing de influencers é ambas as coisas. É a prova social de que a multidão diz sim, e é a autoridade, porque essa pessoa tem a reputação de ser a melhor no futebol ou de ser médico ou de saber fazer marketing. Esses são os princípios psicológicos fundamentais que fazem o marketing de influencers funcionar.

Tem o podcast número um na Europa, no Spotify, o que é fantástico. O que aprendeu com esse processo?

Quando tenho certos convidados, sou criticado. Perguntam-me por que razão lhes estou a dar palco. São pessoas que os media mainstream são autorizados a entrevistar. A Sky ou a BBC podem entrevistar Matt Hancock (ministro da saúde do Reino Unido), mas se eu o fizer, criticam-me.

Como já disse antes, sobre a importância de sermos autênticos e fazermos aquilo de que gostamos para a nossa felicidade e o nosso sucesso. Vou fazer o que quero fazer, certo? Esse é o meu direito e o vosso direito como ouvinte é não ouvir. Pode escrever na secção de comentários. Pode dizer que é horrível, que não gosta, o que quer que seja. Mas o meu direito é viver de acordo com as minhas condições. Não há nenhuma pressão social que me impeça de viver nos meus termos. Já vi as consequências disso. Penso que o mundo precisa de mais pessoas que tenham uma mente aberta, que sejam matizadas e não estejam à esquerda nem à direita. E é isso que eu quero fazer da minha vida. É o que me dá mais alegria.

Bartlett entrevista Matt Hancock no seu "podcast", "Diary of a CEO".

Os Emirados Árabes Unidos esperam ser a sede de 20 "unicórnios" (termo usado para designar startups avaliadas em, pelo menos, mil milhões de dólares) até ao ano 2031. Como é que impulsionamos o crescimento no ecossistema empresarial?

Se pensarmos nos negócios que vão ser os próximos "unicórnios" e os que se estão a tornar nos unicórnios mais rápidos neste momento, eles estão praticamente todos na indústria Web3. Se eu estivesse no lugar dos dirigentes dos Emirados e quisesse captar 20 unicórnios nos próximos 10 anos, tentaria fazer deste país a casa dos negócios da Web3. Tentaria criar infraestruturas, pools de talentos, captar financiamento e criar uma cultura amigável para as startups da Web3, startups de blockchain e criptomoedas. Não conheço uma indústria onde as empresas vão do zero ao "unicórnio" tão depressa como a Web3, por isso, duplico a minha aposta.

Se pudesse voltar atrás, haveria algo que fizesse de diferente?

Se eu pudesse voltar atrás sabendo o que sei agora, provavelmente faria tudo de forma diferente. Quando as pessoas dizem que não têm arrependimentos, isso é uma grande treta. Eu faria tudo de forma diferente. Se soubesse as respostas a todas as experiências que realizei nos últimos 10 anos, faria as coisas certas mais depressa e não faria as coisas erradas. Assim, cada decisão que tomei, faria de forma completamente diferente. Quando olho para trás, para a minha vida, as pessoas dizem que cheguei onde cheguei em tenra idade. Penso que poderia ter chegado lá mais depressa se tivesse um maior grau de convicção e a infraestrutura à minha volta.

Se, quando tinha 16 anos, alguém tivesse dito: Bem, este miúdo começou muitos negócios, está a ganhar todo este dinheiro e tem 16 anos. Porque é que o pomos em aulas de saúde e cuidados sociais e o fazemos empurrar um bebé de plástico pela escola? Deveríamos provavelmente ensinar-lhe finanças, negócios, empreendedorismo. Deveríamos ter duplicado a paixão por ele. A frequência nessas lições foi de 20%, mas nos negócios seria de 100%. Mas o sistema não está concebido para o fazer e os sistemas ditam fortemente os resultados.

Quando as pessoas dizem que não têm arrependimentos, isso é uma grande treta.
Stephen Bartlett
Empresário

Que conselho daria a qualquer empresário em início de carreira que queira seguir as suas pisadas?

A coisa mais importante que aprendi sobre negócios é que os resultados estão mais correlacionados com a qualidade de quem contratamos do que alguma vez poderíamos imaginar. E só aprendi isto no meu terceiro ano de atividade. Se olharmos para a definição da palavra empresa no dicionário, a definição real é 'um grupo de pessoas', e eu não me apercebi disso. Como jovem empresário, pensamos que tem a ver connosco, com o nosso talento, com as coisas que sabemos. Depois, lembrei-me do momento no meu negócio em que contratámos pessoas realmente excecionais e isso mudou tudo. Eu não tinha stress, eles sabiam coisas que eu não sabia. Todas as incógnitas foram resolvidas e isso foi fundamental. E só queria que alguém me tivesse dito isso mais cedo. Que a chave estava no recrutamento.