This content is not available in your region

“Quando nos sentimos mais confiantes, podemos seguir as nossas paixões"

euronews_icons_loading
“Quando nos sentimos mais confiantes, podemos seguir as nossas paixões"
Direitos de autor  euronews   -   Credit: Dubai
De  Gorkem Sifael

Emilia Ohrtmann sempre quis ser designer de moda. Como não sabia desenhar acabou por estudar gestão de empresas. Até ao dia em que decidiu que era altura de realizar o seu sonho.

“Quando era criança, cortava e tingia as minhas calças de ganga, tingia a minha T-shirt. Tive sempre muito interesse pela moda e pelo estilo. Mas como não conseguia desenhar, disseram-me: tens de saber desenhar, para poder fazer modelos, senão, não podes estudar moda. Além disso, nunca ganharás dinheiro com o desenho de moda. Por causa disso, acabei por estudar gestão de empresas, em vez de moda", contou Emilia Ohrtmann.

"Acabei por tornar-me compradora de roupa desportiva, o que levou a estar em contacto novamente com a minha paixão pelo design. Tinha aulas à noite e ao fim-de-semana. Finalmente, aprendi a desenhar. Depois o meu marido arranjou um emprego no Dubai e mudámo-nos para o Dubai. Isso foi há dez anos. As pessoas mudavam-se para cá e traziam novas ideias. Falaram-me de ideias novas. Mas eu tinha três filhos. Estava grávida, praticamente até dar à luz, continuei a trabalhar. Depois do nascimento, recomecei a trabalhar, mas queria encontrar uma forma de ocupar-me dos filhos e trabalhar", recordou a empreendedora.

O impacto da pandemia

"Depois conheci muitas mulheres que queriam lançar um negócio. Então comecei a fazer os sites dessas empresas. Fi-lo durante cinco ou seis anos. E depois deu-se a pandemia.Durante o confinamento, comecei a escrever um livro para os meus filhos. Queria dar-lhes algo que eles pudessem ler quando eu estivesse ausente. E escrevi coisas como: siga os seus sonhos, faça o que lhe apetece, não dê ouvidos a outras pessoas. E foi aí que me apercebi que sempre soube o que queria fazer, mas que não o tinha feito. Por isso, durante o confinamento, decidi começar a minha própria marca de moda", contou Emilia Ohrtmann.

"Adoro dar confiança às mulheres"

“Eu sabia que queria  usar tecidos sustentáveis, algodão biológico, tecidos que nos fizessem sentir bem e que nos dessem vontade de comprá-los. Além disso, queria propor uma abordagem minimalista: porque quando temos algo no guarda-roupa que se pode combinar com quase tudo, isso dá-nos confiança; porque sabemos que qualquer que seja a nossa escolha, ficamos bem. É algo que observo nos meus clientes. Experimentam algo, olham-se ao espelho e os olhos brilham. Adoro dar confiança às mulheres".

“Quando nos sentimos mais confiantes, podemos seguir as nossas paixões. Avançar em direcção aos sonhos e objetivos que tínhamos adiado. No Dubai, há um estado de espírito muito empreendedor. Na verdade, tudo é possível, aqui. Quero que o meu negócio online cresça em toda a região. Depois, gostaria de ter a minha própria loja par dar estilo às mulheres todos os dias”, concluiu a empreendedora.